sexta-feira, 11 de agosto de 2017

Pra quem gosta de comparações


quarta-feira, 2 de agosto de 2017

Os cadáveres que contradizem Deus?




Recentemente foi anunciada a descoberta de cadáveres de cananeus no Líbano, o que segundo alguns críticos contradiz o relato bíblico. De acordo com esses críticos, Deus havia mandado matar todos os cananeus e destruir suas cidades. Porém, o sequenciamento do genoma desses cadáveres mostrou que o DNA deles continuou sendo transmitido de geração em geração e está presente em cerca de 90% da população libanesa atual, o que indica que os cananeus não foram exterminados pelos israelitas, mas ao contrário disso, continuaram vivendo por lá durante a Idade do Bronze e do Ferro. O estudo foi publicado pela revista da Sociedade de Genética Humana dos EUA e pode ser acessado nesse LINK.


Contradiz mesmo? 



A resposta é NÃO! Os críticos estão esquecendo de um detalhe importante: os israelitas não mataram todos os cananeus. Esses cananeus viveram entre os israelitas como tributários, como atesta a própria bíblia:

“E os filhos de Manassés não puderam expulsar os habitantes daquelas cidades; porquanto os cananeus queriam habitar na mesma terra. E sucedeu que, engrossando em forças os filhos de Israel, fizeram tributários aos cananeus; porém não os expulsaram de todo.”Josué 17:12,13

“Manassés não expulsou os habitantes de Bete-Seã, nem mesmo dos lugares da sua jurisdição; nem a Taanaque, com os lugares da sua jurisdição; nem os moradores de Dor, com os lugares da sua jurisdição; nem os moradores de Ibleão, com os lugares da sua jurisdição; nem os moradores de Megido, com os lugares da sua jurisdição; e resolveram os cananeus habitar na mesma terra. E sucedeu que, quando Israel cobrou mais forças, fez dos cananeus tributários; porém não os expulsou de todo.”Juízes 1:27,28

O referido estudo se baseia no sequenciamento dos genomas de cinco indivíduos cananeus que viveram quase 4.000 anos atrás, na atual cidade libanesa de Sidon (LINK). Curiosamente os cananeus daquela cidade antiga estão entre aqueles que a Bíblia diz especificamente que sobreviveram ( Juízes 1:31). Portanto o tal achado sustenta o relato bíblico, ao invés de contradizê-lo.

quarta-feira, 26 de julho de 2017

História de Jonas e o peixe - fato ou mito?



A história de Jonas e o peixe se encontra no pequeno livro bíblico de Jonas, cujo autor seria o próprio profeta. Esse mesmo profeta foi citado em 2Reis 14:25. Fora isso, pouco se fala de Jonas. Sabemos que ele era natural de Gate-Hefer, uma pequena aldeia de Zebulom, na Galiléia.

Segundo o relato bíblico, esse profeta passou 3 dias e 3 noites nas entranhas de um grande peixe, após ser literalmente engolido por ele (Jonas 1: 17).

"O Senhor ordenou que um grande peixe engolisse Jonas. E ele ficou dentro do peixe três dias e três noites." (Jonas 1:17 - Nova Tradução na Linguagem de Hoje)

Essa é uma das histórias mais controversas da bíblia. Ela não só é questionada pelos incrédulos como também por alguns eruditos bíblicos modernos que a consideram apenas um "conto religioso" preparado com fins edificantes depois do exílio (Dicionário Bíblico Universal - Buckland, pág.241). Muitos leitores bíblicos, porém, acreditam que essa passagem narra um fato real... Algo que realmente aconteceu ao profeta.

Impossível, de acordo com os críticos 


Os críticos alegam que seria impossível que Jonas sobrevivesse por 3 dias e 3 noites no ventre de um peixe. Isso seria humanamente impossível! Dizem. É interessante notar que esses críticos geralmente têm uma visão muito naturalista da coisa. Eles simplesmente se recusam a levar em conta o fator sobrenatural. É como se para eles Deus fosse limitado ao mundo natural e só pudesse realizar coisas "cientificamente possíveis". Esse pensamento filosófico que considera o mundo físico como o princípio único e absoluto do real pode até ser compreensível quando observado num ateu, mas não num crente.

É cientificamente possível que um homem sobreviva por algum tempo no ventre de um peixe? 


 Em espécies fisóstomas, por exemplo, existe uma ligação entre a bexiga natatória e o aparelho digestivo, o que proporciona um processo fisiológico onde o estômago do peixe serve como um ducto (pneumoduto) de passagem de ar para a vesícula gasosa (Harder, 1975).



Se tivéssemos um peixe grande o suficiente para engolir um homem, e que contasse com um sistema desses, esse homem poderia sobreviver por algum tempo no ventre desse peixe.

tubarão-baleia


E peixe grande é o que não falta no oceano! O tubarão-baleia, por exemplo, é o maior peixe vivo conhecido atualmente. Ele pode chegar a 20 metros de comprimento e pesar algumas toneladas. Apesar de o tubarão-baleia ser praticamente inofensivo aos seres humanos, sua enorme boca cavernosa poderia facilmente acomodar um homem, ou até mais de um.



 Seu enorme estômago cardial também poderia facilmente acomodar um homem. O fato de o tubarão-baleia não usar seus afiados dentes na hora de se alimentar pode ser um fator que possibilitaria a um homem continuar vivo mesmo após ser engolido por um peixe desses. Esse peixe tem o costume de sugar suas presas para dentro de sua boca.
É possível também que um homem eventualmente engolido por esse peixe seja expelido por ele em segurança. Segundo a revista National Geographic (dezembro de 1992), esse tipo de tubarão pode esvaziar vagarosamente o conteúdo de seu estômago empurrando tal conteúdo em direção a boca.

Não sabemos especificamente qual tipo de peixe engoliu o profeta Jonas, mas como podemos ver, isso é algo cientificamente possível.

Um caso interessante


Luigi Marquez


Apesar de a baleia não ser um peixe, gostaria de citar um caso interessante que aconteceu com um pescador chamado Luigi Marquez (VIDE). Após ficar à deriva por causa de uma tempestade, esse pescador foi engolido por uma baleia e passou 3 dias no interior dela, sendo expelido posteriormente ainda com vida, algo que lembra muito a história bíblica de Jonas. Marquez conta que passou muito frio no interior da baleia, e que o cheiro ali era horrível. "Era cheiro pútrido", relatou o pescador. Ele também observou que estava muito escuro e que a única fonte de luz que tinha era a de seu relógio à prova d’água. Ele sobreviveu comendo alguns peixes que encontrou no interior da baleia. Seria isso uma "estória de pescador"? Talvez sim, talvez não! Mas de qualquer forma é possível.


terça-feira, 18 de julho de 2017

CURIOSIDADES sobre os ensinos islâmicos

Nesse artigo vou destacar algumas curiosidades sobre os ensinamentos islâmicos.


1- A questão da urina





A urina é vista como algo impuro pelos muçulmanos e por isso eles evitam ao máximo serem atingidos por ela. Uma das "técnicas" usadas pelos muçulmanos para evitar que respingos de urina atinjam suas roupas, é "urinar agachado", a menos que a pessoa tenha certeza de que não vai se sujar urinando de pé. Segundo Aisha, esposa predileta de Maomé, o próprio profeta urinava sempre sentado:


"Quem diz que o Profeta (que a paz e as bênçãos de Alá estejam sobre ele) costumava urinar em pé, não acredite nele. Ele sempre urinava sentado." Sahih al-Tirmidhi No. 11


Obs: Aisha casou-se com Maomé quando tinha apenas 6 anos de idade, e teve sua primeira relação sexual  aos 9 anos. Maomé já tinha mais de 50 anos nessa época... Idade suficiente para ser avô da menina.

Na verdade o simples ato de não se limpar após se sujar com urina pode render ao muçulmano tormentos depois da morte, segundo a crença deles. Conta-se que em certa feita Maomé estava passando próximo de um túmulo em Medina ou Meca quando ouviu as vozes de duas pessoas que estavam sendo torturadas no túmulo. Sim! Aparentemente Maomé tinha essa estranha capacidade de ouvir os mortos.  Um deles estava sendo torturado porque nunca se importou em limpar os respingos de urina que atingiam suas roupas e corpo enquanto urinava (Sahih Bukhari  Volume 1, Livro 4, Número 215).


 "A maioria dos castigos da sepultura serão por causa da urina" (Ibn Maajah No. 342, veja também Saheeh al-Jaami 'No. 1202).
Porém, ao mesmo tempo em que a urina parece ser algo tão impuro e detestável dentro da crença islâmica, ela também pode ser uma "benção"! O próprio Maomé chegou a receitar urina de camelo como "remédio" algumas vezes (Bukhari 1.4.234). Em um desses casos o profeta mandou que alguns homens tomassem leite e urina de camelo para curar seus fígados dilatados ( Ibn Ishaq, pages 677, 678). 




 E não era só a urina de camelo que supostamente tinha propriedades medicinais não! A urina do próprio Maomé também tinha, de acordo com os escritos islâmicos. Segundo narrativas sahih, Maomé tinha um jarro de madeira no qual urinava antes de dormir. Em certa ocasião, uma mulher chamada  Umm Ayman ficou com muita sede e acabou bebendo por engano a urina de Maomé que estava no tal jarro de madeira. Ao ficar sabendo o que a mulher tinha feito, o profeta garantiu que ela jamais teria dor de estômago. 




Nos dias atuais ainda existem muçulmanos que tomam urina de camelo, seguindo o exemplo de Maomé. Na verdade algumas pessoas até vendem urina de camelo. E como em todo comércio, existem as falsificações! Um exemplo disso foi o caso do comerciante que estava enchendo garrafas com sua própria urina e vendendo como se fosse urina de camelo (VIDE). 


2 - Adão, o gigante!



O islã  é uma religião abraâmica como o cristianismo e o judaísmo, e assim sendo, eles também acreditam na história de Adão, o primeiro homem criado por Deus. O problema é que para eles Adão era um gigante com cerca de 30 metros de altura! 


"Narrado por Abu Huraira: O Profeta disse: Allah criou Adão com 60 CÔVADOS de altura" (Bukhari Volume 4, Livro 55, Numero 543). 

A medida mais popular do côvado é 45 centímetros. Porém, existem outras. No livro de Ezequiel, por exemplo, o côvado tinha 52 centímetros. A medida de côvado mais antiga correspondia a quase 61  centímetros. Mesmo fazendo os cálculos usando a medida mais modesta de côvado, esse Adão de 60 côvados dos muçulmanos teria no mínimo uns 27 metros de altura. 

A bíblia, por exemplo, fala a respeito da existência de gigantes na Terra, mas esses gigantes não tinham 30 metros de altura. Na verdade o povo hebreu tinha o costume de chamar de "gigantes" qualquer povo de estatura elevada. Existiam vários povos que eram chamados de "gigantes" pelos hebreus, tais como os enaquins, refains, emins e zuzins. A bíblia até chegou a citar a altura de um deles... Em  1Samuel 17:4, por exemplo, a bíblia fornece a altura do gigante Golias, aquele que foi morto por Davi. Sua altura era de 6 côvados e um palmo, ou seja, quase 3 metros de altura. Ossos de pessoas com estaturas similares a essa já foram encontrados em vários lugares (fontes: The Natural and Aboriginal History of Tennessee, John Haywood / Indianapolis News, 10/11/1975/ American Antiquarian, volume 3, 1880, pág 61).



Um exemplo clássico de gigantes que posso citar é o do casal Martin Van Buren Bates e Anna Haining Swan. Anna tinha 2,28 metros de altura e seu marido tinha 2,19 metros. Certamente algo bem próximo do gigante bíblico Golias. O "baixinho" que aparece ao lado do casal na foto abaixo tinha 1,91 metros.


Anna Haining Swan 2,28 metros, Martin Van Buren Bates 2,19 metros
e o reverendo Rupert Cochrane com 1,91 metros


Os gigantes da bíblia certamente eram pessoas bem altas, como esse casal do exemplo. Mas não eram gigantes de 10 ou 30 metros de altura, certamente.

3 - Bocejo é coisa do diabo




Parece brincadeira, mas não é! O islã ensina que Satanás entra no corpo da pessoa quando ela está bocejando. Para impedir a "invasão"do capiroto, a pessoa precisa tentar conter o bocejo com a mão:

“Narrado por Abu Said al-Khudri: O Apóstolo de Allah disse: Quando alguém boceja, ele deve procurar contê-lo com a ajuda da mão, pois Satanás entra nele.” (Sahih Muslim 42,7131).

 “Narrado por Abu Huraira: O Profeta disse: O bocejo vem de Satanás, e se alguém boceja, ele deve conter o seu bocejo, tanto quanto possível, porque se alguém de vocês (durante o bocejo) disser: 'Haa', Satanás rirá dele”. (Bukhari 4,509). 

Porém, de acordo com o  Bukhari 8, 73, 242, Alá não vê problemas com o espirro. Na verdade ele até gosta.


4- Satanás dorme no nariz das pessoas




O Islã ensina que ao acordar a pessoa deve lavar o nariz por 3 vezes, pois "o diabo passa a noite no interior do nariz" (Bukhari livro 002, número 0462).

5- Satanás urina nos ouvidos das pessoas que dormem demais




Se uma pessoa dorme demais e não se levanta para orar, é porque Satanás urinou em seus ouvidos... (Bukhari, Volume 2, livro 21, número 245).


6- Satanás come com a mão esquerda


Fico imaginando como deve ser difícil a vida dos muçulmanos canhotos, pois a doutrina islâmica proíbe que seus adeptos comam ou bebam com a mão esquerda. Para eles Satanás é quem come e bebe com a mão esquerda (2/8 do Hanbal ,33).

7- O inferno vai ter mais mulher do que homem


O inferno vai ser preenchido na maioria com mulheres; as mulheres são deficientes em inteligência e religião (Muslim, 34/132 do Iman ; Muslim, Iydayn 4; Tirmizi, 6/2613 de Iman ; Ibn Majah, 19/4003 de Fitan ; Ahmad b. Hanbal, Musnad, II/373-374 , II/ 318; Abu Dawud, 15/4679 da Sunna ; Nasai, 19).

8- É permitido matar mulheres e crianças na guerra (Bukhari, Jihad/ 146; Abu Dawud 113).


9- A Terra é sustentada por um touro gigante




Pois é! Segundo o Ibn Kathir 2/29 ; 50/1 nosso planeta é sustentado por um touro gigante, que quando mexe a cabeça causa terremotos. Quanta diferença da bíblia, que diz que nosso planeta "paira sobre o nada" (Jó 26:7).


10- Cães pretos são criaturas do demônio e devem ser mortos (4/85 de Hanbal ; 5/54). 



11- Um samaritano estava presente quando os hebreus fizeram o bezerro de ouro




Conhecemos bem a passagem bíblica sobre o bezerro de ouro narrada em Êxodo 32. O Alcorão, no entanto, acrescenta um detalhe que não se encontra na bíblia: Segundo a Surah 20:90-100 um samaritano estava presente durante o ocorrido. O problema é que não existiam samaritanos naquela época! Pelo jeito história não era o forte de Maomé. 


12 - Alcorão manda crucificar inimigos do Islã e decepar mãos e pés



 "O castigo, para aqueles que lutam contra Deus e contra o Seu Mensageiro e semeiam a corrupção na terra, é que sejam mortos, ou crucificados, ou lhes seja decepada a mão e o pé opostos, ou banidos. Tal será, para eles, um aviltamento nesse mundo e, no outro, sofrerão um severo castigo." (Sura 5:33).


13 - Quem acredita na trindade é considerado blasfemo


"São blasfemos aqueles que dizem: Deus é um da Trindade!, portanto não existe divindade alguma além do Deus Único. Se não desistirem de tudo quanto afirmam, um doloroso castigo açoitará os incrédulos entre eles." (Sura 5:73)


14 - Judeus e idólatras são os piores inimigos dos "fiéis" (muçulmanos)


Essa passagem do Corão me deixou meio confuso! Ela diz que judeus e idólatras (adoradores de imagens) são os piores inimigos dos fiéis (obviamente que nesse caso os "fiéis" são os próprios muçulmanos). No entanto o mesmo texto diz que os cristãos "estão mais próximos do afeto dos fiéis", pois possuem sacerdotes e não são soberbos. 

No entanto, porém, a crescente perseguição aos cristãos promovida por grupos de radicais islâmicos indica que eles não estão dando a devida atenção a esse trecho do Corão.

"Constatarás que os piores inimigos dos fiéis, entre os humanos, são os judeus e os idólatras. Constatarás que aqueles que estão mais próximos do afeto dos fiéis são os que dizem: Somos cristãos!, porque possuem sacerdotes e não ensoberbecem de coisa alguma." (5:82).


sábado, 1 de julho de 2017

Existe homofobia no Brasil?

A origem da palavra e seu uso atual



A palavra "homofobia" foi criada pelo psiquiatra George Weinberg, no livro Society and the Healthy Homosexual em 1972 para descrever a patologia de psicopatas que assassinavam homossexuais. Hoje em dia, porém, essa palavra é usada de forma mais genérica. Atualmente a palavra HOMOFOBIA é usada como sinônimo de preconceito, discriminação e violência contra homossexuais. Infelizmente algumas pessoas também são rotuladas como "homofóbicas" simplesmente porque possuem suas opiniões ou princípios religiosos.

Construção errônea da palavra



Fobia (do Grego FOBOS) é o medo irracional e persistente de algo. Podemos dizer que é um medo patológico, que requer tratamento. Existem vários tipos de fobias, como, por exemplo, a claustrofobia (medo de lugares fechados), acrofobia (medo de altura), aracnofobia (medo de aranhas) e muitos outros. Se levarmos a construção da palavra HOMOFOBIA ao pé da letra, então teríamos um tipo de "fobia por humanos", visto que "fobia" significa MEDO e "homo" significa HOMEM... (literalmente MEDO DE HOMENS). Se "homofóbicos" fossem realmente pessoas com "medo de homens", então não seriam criminosos, mas doentes necessitando de tratamento psicoterapêutico.

Homofobia no Brasil


Existe homofobia no Brasil? Obviamente que sim, mas não dessa forma exagerada como a mídia vem alardeando. A mídia bombardeia diariamente seus telespectadores com "informações" nem sempre verídicas que fazem parecer que existe uma verdadeira "caçada aos gays" em nosso país. Aquele seu telejornal favorito vai falar de alguns casos isolados de homofobia como se isso fosse algo que acontece toda hora. Novelas vão mostrar gays sendo espancados por "machões homofóbicos". Programas vespertinos de fofocas vão entrevistar supostas vítimas de homofobia (geralmente atores contratados pelo próprio programa para contar casos falsos) e assim por diante!

Personagem gay de novela é espancado por homofóbicos


Enquanto isso o telespectador manipulado se esquece de que existe um mundo real fora da mídia onde as coisas não são bem assim. Nesse mundo real os gays trabalham, namoram, andam livremente pelas ruas, frequentam cinemas, shoppings, restaurantes e etc... É claro que de vez em quando ocorrem alguns casos de violência e preconceito contra eles, mas nada perto daquilo o que a mídia tenta passar.

Vamos aos números


Existe uma organização não governamental (ONG) chamada "Grupo Gay da Bahia" (GGB) que elabora relatórios anuais com o número de homossexuais assassinados no Brasil. Segundo essa organização
266 homossexuais foram assassinados em 2011
338 homossexuais foram assassinados em 2012
312 homossexuais foram assassinados em 2013
326 homossexuais foram assassinados em 2014
318 homossexuais foram assassinados em 2015
343 homossexuais foram assassinados em 2016

Se levarmos em conta que cerca de 58 mil pessoas são assassinadas por ano no Brasil, veremos que o número de homossexuais assassinados anualmente é praticamente pífio (graças a Deus!). Só a nível de curiosidade, cerca de 4.700 mulheres são assassinadas por ano no Brasil vítimas de violência contra a mulher. Em 2013, por exemplo, 4.762 mulheres foram assassinadas (cerca de 13 mulheres por dia) ( vide ). Se somarmos os números dos assassinatos de homossexuais fornecidos pelo GGB entre 2011 a 2016, não chegaremos nem na metade dessa cifra, ou seja, morreram mais mulheres vítimas de violência contra a mulher em um ano do que homossexuais vítimas de homofobia em 6 anos.

E ainda tem mais um detalhe importante:  esses números de assassinatos de homossexuais divulgados anualmente pelo GGB não dizem respeito apenas a casos de homofobia! Isso mesmo! O GGB não contabiliza somente os casos de homicídio onde o gay foi vítima de homofobia, mas qualquer caso de assassinato de homossexuais. Então nessa cifra de mais ou menos 300 gays mortos por ano estão somados os casos de crimes passionais (gays matando gays), suicídios e diversos casos de homicídio que não foram motivados necessariamente por homofobia.



Vejamos: em 2015 o Grupo Gay da Bahia divulgou seu relatório anual dizendo que 318 gays tinham sido assassinados naquele ano. Ora! Em 2015 morreram 58.383 pessoas assassinadas no Brasil. Não me parece que estamos vivendo uma verdadeira caçada contra os gays em nosso país, e nem que eles mereçam mais atenção do governo que os outros brasileiros. E se tirarmos desses 318 casos os crimes que não foram motivados por homofobia? Será que sobraria uma centena de casos? Talvez nem isso.






segunda-feira, 26 de junho de 2017

Superbactérias são exemplos de seleção natural?



Esse print resume muito bem o argumento evolucionista a respeito das superbactérias. Segundo os evolucionistas as superbactérias adquirem resistência aos antibióticos da seguinte forma:

1- Algumas bactérias sofrem mutações randômicas que as deixam mais resistentes aos antibióticos, porém, as bactérias que não sofreram mutações acabam morrendo com a ação desses medicamentos.

2- As bactérias mutantes se reproduzem por reprodução assexuada (divisão binária) ou sexuada (fragmentos de DNA são transferidos de uma célula para outra), passando essa resistência para as novas bactérias.

3- As novas bactérias resistem aos antibióticos e são chamadas de superbactérias.

Essa era a explicação especulativa sobre o processo de formação de uma superbactéria, até que os cientistas descobriram o que de fato ocorre:

O que de fato ocorre? 




Na verdade o que ocorre com as superbactérias é algo bem diferente do que os evolucionistas pensavam. Ao invés de bactérias que adquirem resistência através de mutações e passam essa resistência para seus descendentes, temos um ato de altruísmo, onde as bactérias mais fortes produzem uma substância chamada indol, que protege as bactérias mais fracas da ação dos antibióticos. Mas o esforço para produzir tal substância acaba custando a vida das bactérias que a produzem...

Nesse caso as bactérias mais adaptadas e fortes morrem, e as mais fracas sobrevivem. Algo totalmente contrário à seleção natural darwiniana. 

Vide: COLLINS, James J. et al. Bacterial charity work leads to population-wide resistance. Nature, vol. 467, p. 82-85; letter published online on 2 September 2010; Doi:10.1038/nature09354