sábado, 14 de janeiro de 2017

A incrível profecia de Daniel

O segundo capítulo do livro de Daniel começa com uma história muito intrigante! A passagem fala sobre um sonho do rei Nabucodonosor. Em seu sonho o rei tinha visto uma grande e terrível estátua. A cabeça da estátua era de ouro, o peito e os  braços de prata, o ventre e as coxas de cobre, e as pernas de ferro. Um detalhe interessante é que os pés da estátua eram feitos com uma mistura de ferro e barro.


Enquanto o rei admirava essa imensa estátua, uma grande pedra atingiu sua base, e a destruiu totalmente.


Ao acordar, o rei chamou seus sábios para ver se eles podiam interpretar esse sonho, porém, nenhum deles conseguiu.


Contudo, um profeta de Deus chamado Daniel conseguiu interpretar o sonho do rei. De acordo com sua interpretação, cada parte da estátua representava um Império mundial, começando pela cabeça da estátua, que representava o próprio Império babilônico comandado por Nabucodonosor. 



Nesse artigo pretendo falar um pouco sobre cada um desses impérios.

Império babilônico




Início - 614 a.C.
Término - 539 a.C.
Fundador: Nabopalasar (pai de Nabucodonosor)
(Obs: O Império Babilônico compreende dois períodos distintos. Nesse artigo eu falo do segundo Império babilônico).

O Império babilônico era representado pela cabeça da estátua. 


A extensão territorial do Império babilônico não foi tão grande como a dos impérios posteriores, mas mesmo assim era bem grande. O território desse império incluías algumas terras árabes, Nínive, Antioquia, Ribla, Damasco, Samaria, Jerusalém e Carquemis. 

Em 587 a.C. Nabucodonosor invadiu Jerusalém depois de um cerco de 18 meses, tudo por causa da revolta do rei Zedequias (rei de Judá). Zedequias havia sido nomeado rei no lugar de seu sobrinho Joaquim (que tinha sido levado cativo para Babilônia).


 Zedequias tinha feito um juramento de fidelidade a Nabucodonosor, mas depois se revoltou contra o Império. Como castigo o rei Zedequias viu seus filhos serem mortos e depois teve seus olhos perfurados. Isso cumpriu uma profecia que se encontra em Ezequiel 12:13, onde é dito que esse rei seria levado à Babilônia, mas não poderia ver a cidade.

O Império babilônico manteve os judeus em cativeiro por 70 anos. Depois da morte de Nabucodonosor o império começou a desintegrar-se. Mesmo que o império tenha durado mais 22 anos após a morte de seu principal imperador, acabou sendo gravemente debilitado por revoluções e homicídios.
Os últimos reis babilônicos foram Nabonido e seu filho mais velho Belsazar (neto de Nabucodonosor) que governaram juntos como co-regentes. 
Tanto os escritos persas como os escritos babilônicos revelam que quando o exército medo-persa se aproximou de Babilônia, o povo escancarou os portões da cidade para acolhê-los sem resistência. Ciro, o fundador do Império medo-persa foi saudado pela população como o libertador da tirania de Nabonido e Belsazar. 

Império medo-persa


Início -539 a.C.
Término - 330 a.C.
Fundador - Ciro



Esse império é representado pelo peito e braços de prata da estátua do sonho de Nabucodonosor. Os dois braços indicam que esse império seria formado pela união de dois povos distintos (medos e persas). Como a prata é inferior ao ouro, isso significa que o Império medo-persa seria inferior ao babilônico. 

O Império medo-persa era representado pelo peito e braços da estátua. 


No princípio de sua história os medos eram mais poderosos que os persas, mas no decorrer do tempo a Pérsia tornou-se mais proeminente que a Media. Posteriormente os povos da Media começaram a chamar a si mesmos de "arianos", que no sânscrito significa "nobre". Foi essa palavra que deu origem ao nome "Irã". 

Os medos e os persas formaram uma coalizão para derrotar Babilônia. A Media lutou sob a liderança de Dario, e a Pérsia sob a liderança de Ciro. O profeta Jeremias chegou a descrever a derrota de Babilônia em sua profecia (Jeremias 51: 30-32).

Enquanto Dario se encarregava de governar o império, Ciro completava suas conquistas no norte e no oeste, e continuou assim por dois anos. Apesar disso, Dario teria sido apenas um vice-rei.  
Ao assumir definitivamente o trono, Ciro libertou os hebreus do cativeiro e acabou com o regime de escravidão de outros povos que tinha sido instaurado por Nabucodonosor. 

Os sucessores de Ciro no comando do Império medo-persa foram Cambises II, Dario e Xerxes (que é chamado de Assuero na bíblia, o esposo de Ester). 


Império grego


Início - 330 a.C.
Término - 67 a.C.
Fundador - Alexandre Magno

O Império grego é representado pelo ventre e coxas de cobre da estátua.

O fundador do terceiro império foi um dos homens mais brilhantes dos tempos antigos. Foi rei da Macedônia e fundador do helenismo. Era um gênio militar e ajudou a propagar a cultura grega. Alexandre morreu em 323 a.C., no auge de seu poder, e seu trono, ao invés de ser passado aos seus herdeiros, foi dividido entre os seus quatro principais generais. Os generais foram: Lisímaco (que ficou com a Trácia e a Bitínia), Cassandro (que ficou com a Grécia e Macedônia), Seleuco (que ficou com a Babilônia e a Síria) e Ptolomeu (que ficou com a Palestina, Egito e Arábia). Esse fato de que o trono de Alexandre Magno seria dividido em quatro partes, mas que nenhuma parte iria para seus herdeiros, cumpriu uma profecia de Daniel:

"Depois se levantará um rei valente, que reinará com grande domínio, e fará o que lhe aprouver.
Mas, estando ele em pé, o seu reino será quebrado, e será repartido para os quatro ventos do céu; mas não para a sua posteridade, nem tampouco segundo o seu domínio com que reinou, porque o seu reino será arrancado, e passará a outros que não eles".

Daniel 11:3,4
Durante o Império grego surgiu um homem muito cruel chamado Antíoco Epifânio (rei selêucida), que foi um terrível opressor de Israel. Antíoco Epifânio oprimiu o povo judeu no segundo século antes de Cristo, no período chamado Período Intertestamentário ou Interbíblico, que vai de Malaquias a Mateus. Esse rei tinha decidido exterminar o povo judeu e sua religião. Ele chegou a proibir o culto a Deus e recorreu a todo tipo de tortura para forçar os judeus a renunciarem a sua fé em Deus. 
Foi nessa época que ocorreu a famosa revolta dos Macabeus. O nome  Epifânio significa "o magnífico". Porém, seus inimigos faziam um trocadilho com seu nome o chamando de 'Epimânio", que significa "louco". 

Em 168 a.C. Epifânio colocou uma imagem do deus grego Zeus no Templo de Deus, e ainda sacrificou um porco no altar. Posteriormente Judas Macabeu retomou Jerusalém e reconsagrou o Templo (165 a.C.). Esse evento é comemorado pelos judeus numa festa de oito dias chamada Hanukkah. 


Império Romano


Início - 67 a.C.
Término - 476 d.C (Império Ocidental) e 1453 d.C. (Império Oriental)
Fundador - Não era a criação de um único imperador. 



O Império romano durou mais tempo que seus antecessores, e dominou uma área mais extensa também. Muitos países modernos se encontram na área do antigo Império romano: Espanha, França, Bélgica, Holanda, Suíça, Itália, parte da Austrália, parte da Iugoslávia, Albânia, Grécia, Turquia, parte da Síria, Israel, parte da Jordânia, parte do Egito, parte da Líbia, parte da Tunísia e até uma parte da Argélia. Esse era o Império vigente na época de Jesus.

Seus imperadores foram os mais cruéis e sanguinários de todos os tempos. 

Caracala
Caracala

O imperador Caracala, por exemplo, que reinou entre 211 a 217 d.C. foi responsável pelo assassinato de vinte mil pessoas. 

Juliano


Juliano (331 - 363 d.C.) proibiu que cristãos desempenhassem funções públicas, principalmente como professores. Ele também tentou restabelecer o antigo culto pagão.

Nero


 Nero (37 d.C. - 68 d.C.) distinguiu-se pelas desordens e crimes. Mandou matar a própria mãe. Mandou matar sua esposa Otávia e se casou com uma mulher chamada Popéia, a qual ele mesmo matou. Fez acusações graves contra os cristãos, o que ocasionou a primeira grande perseguição contra os cristãos, na qual pereceram os apóstolos Pedro e Paulo. Nero morreu por suicídio. 

Diocleciano

Diocleciano foi um dos imperadores romanos que mais perseguiu os cristãos. Foi o responsável pela morte de muitos cristãos que são reverenciados hoje em dia pela igreja católica, tais como Cosme e Damião em 283 d.C., Sebastião em 288 d.C. e muitos outros. Em 285 d.C. Diocleciano dividiu o Império romano em duas partes: Império romano Ocidental e Oriental, o que representa as duas pernas da estátua do sonho de Nabucodonosor. 

O  Império romano era dividido em duas partes que eram representadas pelas pernas da estátua. 

 César

O nome "César" de Júlio César foi adotado como título por todos os imperadores romanos. Há referência a quatro "Césares" no Novo Testamento: Augusto (Lucas 2:1) que foi imperador durante a infância de Jesus. Tibério (Mateus 22:17) que foi imperador durante o ministério de Jesus, Cláudio (Atos 17:7), que foi imperador durante parte do ministério de Paulo, e Nero (Filipenses 4:22), que foi imperador durante o final do ministério de Paulo e Pedro.

O Império romano perseguiu terrivelmente os cristãos, porém, durante o governo do imperador Constantino Magno, o chamado "Edito de Milão" (313 d.C.) colocou fim nas perseguições. 
Constantino chegou a adotar o cristianismo como a religião oficial do Império. O último imperador romano do Ocidente foi deposto em 476 d.C., e o Império romano do Oriente teve fim com a queda de Constantinopla em 1453 d.C.


Império do Anticristo


Início - durante a Grande Tribulação (data ignorada)
Término - na volta de Jesus (data ignorada)
Fundador - Anticristo (?)

O quinto e último Império mundial ainda é uma incógnita. A profecia de Daniel nos dá a entender que esse império futuro tem uma ligação íntima com o quarto império. Seria como o ressurgimento do mesmo, ou algo muito parecido. Os 10 dedos da estátua representam a união de 10 nações que estarão envolvidas nesse Império. Em outra profecia essas 10 nações são representadas por dez chifres: 

"E os dez chifres que viste são dez reis, que ainda não receberam o reino, mas receberão poder como reis por uma hora, juntamente com a besta.
Estes têm um mesmo intento, e entregarão o seu poder e autoridade à besta."
Apocalipse 17:12,13
A profecia bíblica também revela que quando o Anticristo surgir, ele vai  derrubar 3 reis:

"Aqui o sentido, que tem sabedoria. As sete cabeças são sete montes, sobre os quais a mulher está assentada (aqui a profecia se refere à Roma, que foi construída em 753 a.C. sobre 7 montes: Capitólio , Palatino, Aventino, Célio, Viminal, Esquilino e Quirinal. Roma seria o coração desse futuro Império)E são também sete reis; cinco já caíram (Esses cinco "reis" que já caíram são o Egito, Assíria, Babilônia, medo-persa e Grécia) e um existe (Império romano no tempo de João); outro ainda não é vindo; e, quando vier, convém que dure um pouco de tempo ( Para alguns essa parte da profecia está se referindo aos Estados nacionalistas que surgiram após o Império romano. Para outros a profecia está se referindo ao Império nazista). E a besta que era e já não é, é ela também o oitavo (esse será o Império do anticristo), e é dos sete, e vai à perdição".
Apocalipse 17:9-11
O profeta Daniel também profetizou sobre esses dez reis:

E, quanto aos dez chifres, daquele mesmo reino se levantarão dez reis; e depois deles se levantará outro, o qual será diferente dos primeiros, e abaterá a três reis.Daniel 7:24
O Império do Anticristo vai dominar a economia mundial e fará intensa perseguição aos cristãos. Ele terá fim com a volta de Jesus.










2 comentários:

  1. Esse texto contem um erro,ele diz uma parte da australia,eu creio que o correto fosse uma parte da austria.

    ResponderEliminar
  2. no começo eu pensei que o império divido se referia ao fato do império de alexandre ter sido divido entre em seus generals,mas pensando bem e analisando melhor a profecia se referir ao império romano faz mais sentido.

    ResponderEliminar