sexta-feira, 26 de setembro de 2014

Os 10 mandamentos foram copiados do Livro egípcio dos Mortos?

ARGUMENTO: “Moisés copiou os 10 mandamentos do ‘Livro dos Mortos’ egípcio”

Exemplo do uso do argumento


Os ateus militantes alegam que os 10 mandamentos da Lei mosaica foram "copiados" de um livro egípcio chamado “Livro dos Mortos”. Esse livro tinha a finalidade de ajudar o morto em sua viajem para o outro mundo de acordo com a crença dos egípcios daquela época. Era na verdade um conjunto de orações, feitiços, litanias e hinos escritos em rolos de papiro. Esse livro era deixado junto com o morto para que ele pudesse “utilizá-lo” em sua passagem para o além. O nome original do livro era “Livro de Sair Para a Luz”.




No Livro dos Mortos existe uma lista com 42 confissões negativas feitas para 42 deuses. Os ateus alegam que algumas dessas confissões são muito parecidas com alguns  mandamentos, e assim concluem que os mandamentos bíblicos foram copiados dessa lista. 

Veja a lista abaixo (as confissões marcadas em amarelo são as que os ateus dizem ser idênticas aos mandamentos):

1. Eu não cometi pecados
2. Eu não assaltei
3. Eu não roubei 
4. Eu não agi com violência
5. Eu não matei seres humanos 
6. Eu não roubei oferendas 


 OBS: As confissões 2, 3 , 6 e 22 falam sobre assalto, roubo, roubo de oferendas aos deuses e pilhagens. Os ateus acham que o oitavo mandamento “Não furtarás” (Êxodo 20:15) foi copiado dessas confissões.  A confissão 5 fala sobre "não matar seres humanos", o que para os ateus militantes inspirou o sexto mandamento “Não matarás” (Êxodo 20:13).

7. Eu não causei destruição
8. Eu não pilhei a propriedade divina do templo
9. Eu não cometi falsidade
10. Eu não sequestrei grãos
11. Eu não amaldiçoei 


OBS: a décima primeira confissão é estranhamente associada pelos ateus ao nono mandamento “Não dirás falso testemunho” (Êxodo 20: 16).  Ora! Testemunhar falsamente não é a mesma coisa que amaldiçoar. O nono mandamento protege o nome e a reputação do próximo, proibindo que as pessoas façam falsas declarações a respeito de alguém.  Amaldiçoar é rogar praga. 

12. Eu não transgredi
13. Eu não abati o rebanho divino do templo
14. Eu não fiz o mal
15. Eu não saqueei a terra cultivada 


OBS: a décima quinta confissão foi associada pelos ateus ao décimo mandamento “Não cobiçarás o que é do seu próximo” (Êxodo 20:17). Note que a confissão 15 fala especificamente sobre "furto em plantações", ao passo que o décimo mandamento proíbe cobiçar qualquer coisa que pertença ao próximo. 

16. Eu não agi com luxuria
17. Eu não amaldiçoei ninguém
18. Eu não fiquei irado sem causa justa
19. Eu não dormi com o marido de nenhuma mulher 


OBS: a décima nona confissão foi associada pelos ateus ao sétimo mandamento “Não adulterarás” (Êxodo 20: 14). 

20. Eu não polui a mim mesmo
21. Eu não aterrorizei nenhum homem
22. Eu não pilhei 
23. Eu não agi com raiva
24. Eu não me fiz de surdo ao ouvir palavras de justiça e verdade
25. Eu não aticei brigas 


OBS: a vigésima Quinta confissão também foi associada pelos ateus ao nono mandamento “Não dirás falso testemunho” (Êxodo 20: 16).

26. Eu não fiz ninguém chorar
27. Eu não forniquei 


OBS: a vigésima sétima confissão também foi associada pelos ateus ao sétimo mandamento “Não adulterarás” (Êxodo 20: 14). Se é que a palavra “adultério” diz respeito somente às pessoas casadas, ao passo que a palavra “fornicação” pode ser usada em relação a qualquer pessoa (casada ou não) que porventura pratique sexo apenas para satisfazer os desejos da carne (de forma deliberada). 


28. Eu não destruí meu coração
29. Eu não amaldiçoei ninguém 


OBS: a vigésima nona confissão é uma repetição da confissão 11,  e novamente os ateus associam “amaldiçoar” (rogar praga) com “falso testemunho” (dizer inverdades a respeito de alguém) . Parecem não conhecer a própria língua portuguesa! 

30. Eu não exagerei
31. Eu não realizei julgamentos precipitados 


OBS:  a trigésima primeira confissão também foi associada com o nono mandamento “Não dirás falso testemunho” (Êxodo 20: 16).

32. Eu não cortei a pele e pelos de animais divinos
33. Eu não elevei minha voz em conversas
34. Eu não cometi pecados e não procedi mal
35. Eu não amaldiçoei a realeza
36. Eu não desperdicei água
37. Eu não agi com arrogância
38. Eu não amaldiçoei divindades 


OBS: a trigésima oitava confissão foi associada pelos ateus ao terceiro mandamento “Não pronunciarás em vão o nome de Deus” (Êxodo 20: 7). O terceiro mandamento da Lei mosaica visava impedir que as pessoas usassem o nome de Deus de forma leviana para amaldiçoar outras pessoas, fazer falsas promessas ou blasfemar. A confissão 38 do Livro dos Mortos fala especificamente sobre “amaldiçoar divindades”, e não sobre usar o nome delas de forma vã. 

39. Eu não agi com falso orgulho
40. Eu não agi com desdém
41. Eu não aumentei minhas riquezas exceto por meio de meus próprios recursos 
42. Eu não desprezei o principio de minha cidade

(Livro dos Mortos do Antigo Egito Extratos do Papiro da Real Mãe Nezemt - As Confissões Negativas - Capitulo 25, prancha 5).


Conclusão: Acho que ficou bem claro que a argumentação neo-ateísta nesse caso é uma grande "forçação de barra". Em uma lista com 42 confissões negativas eles encontraram algumas que lembram vagamente alguns mandamentos bíblicos e já saíram por aí dizendo que os 10 mandamentos foram “copiados” dessa lista. Uma afirmação bem inconsistente, por sinal. 

Para esses ateus o fato de o Livro dos Mortos ser mais antigo que o livro de Êxodo, e ainda possuir coisas “que lembram” os mandamentos bíblicos, significa que Moisés “plagiou” a obra egípcia. Eles não possuem nenhuma base sólida para reforçar essa acusação. 

Para começar, o primeiro e o segundo mandamento já entram em conflito com o conceito religioso geral dos egípcios. O primeiro mandamento, por exemplo, condena o politeísmo, mas as confissões no Livro dos Mortos são feitas para 42 deuses! Sem contar ainda que alguns padrões morais dos  mandamentos bíblicos eram comuns em outras civilizações daquela época, e por isso poderiam encontrar um paralelo em qualquer código antigo sem que isso significasse plágio.  Obviamente qualquer conjunto de leis dos povos antigos proibiria coisas como o assassinato ou o roubo. Ateus militantes mais uma vez demonstrando sua ignorância, pra variar! 



37 comentários:

  1. Respondendo ao Comentário

    1. Não, não é bem inconsistente, levando em consideração alguns pontos dentro de seu contexto:

    a) O povo de Israel viveu 'supostamente' como escravos dos egípcios, naturalmente que sua cultura, regras e Leis (quando se torna-sem livres) teriam tanto uma mistura das Leis e Regras dos egípcios, com as próprias Leis e Regras.

    b) Moisés foi criados Por um Rei, conhecia as Leis, conhecias as Regras e também chegou a fazer parte dos Rituais. Isso quer dizer que Moisés estava por dentro de forma intima, com o poder.Espera-se que quando Moisés se torna-se Líder tais Leis e Regras também representassem o que Moisés aprendeu em toda sua Vida. Por exemplo, Moisés não poderia impor regras e Leis das quais ele desconhecesse, então logicamente Moisés tem a base para escrever os 10 Mandamentos baseado em tudo o que ele aprendeu sobre os Mortos, sobre Deuses, porém por sua grande simpatia com o povo de Israel e a Ideia do povo de adorar somente um deus. Como adoravam somente um deus, naturalmente regras e Leis para adorar somente um deus foram impostas.

    Essa era a principal diferença, já que o povo de Israel acreditava em deuses diferentes, e em muitos casos pela mistura cultural por um tempo, depois de sua liberdade ainda continuou a adorar outros deuses além do suposto único deus.

    2. Quando leio o texto, então existe um erro que diz que 'então o ateu faz associação' , nem por um segundo você não acha estranho que praticamente todos os mandamentos dos supostos 10 mandamentos se encontrem perfeitamente dentro das 42 duas confissões?

    Não é nem um pouco estranho? é mais fácil acreditar que Deus escreveu os mandamentos do que acreditar que as Leis tem como base as Leis oferecidas pelas confissões?

    Tem que ter muita cara de pau e muita coragem, para dizer que os 10 mandamentos não possuem qualquer influência egípcia quando claramente todos os 10 mandamentos podem ser encontrados nas confissões egípcias. E não se baseia na crença babilônica ou de outros lugares, pois querendo ou não, toda vez que o povo de Israel era dominado por outros reinos, toda a nação de Israel sofria a influência cultura e também em relação as regras de tal povo.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Rapaz ta de parabéns, faz todo sentido lógico. Aliás, ontem dia 31/08/15 a Record transmitiu no jornal após a novela "Os 10 mandamentos" sobre o papiro que está em Israel no qual contém os 10 mandamentos, contudo os ignorantes fanáticos pouco sabem de sua origem, assim tais como gado que comem tudo que lhe é dado, os fiés adoram sem questionar a origem. Fanáticos!

      Eliminar
    2. Elderson que Deus tenha misericórdia de ti. Acredito segamente neste Deus vivo e acredito que ele é perfeito em tudo o que faz e sabes qual é a nossa dieferença: Quando eu tenho as minhas dúvidas (criação do mundo, origem do pecado e muito mais) eu pergunto a Deus e Ele responde, quanto a ti, a Record e um conjunto de poluições preenchem o teu entendimento. Que Deus te abençoe e a minha oração é p'ra que voltes no caminho de Deus.

      Eliminar
    3. Estranho, eu acredito que tenha sido sim, digamos melhor, RESUMIDO, Moisés era um estrategista de primeira, era sábio e precisava controlar aquela multidão IDOLATRA, sim eles eram totalmente idolatras e se você tiver a coragem de ler toda a bíblia como eu tive a coragem de fazer, você percebe que NUNCA deixaram de ser idólatras, está tudo lá, só não vê quem não quer. Agora quero deixar claro que eu não sou ateísta, eu creio sim na existência de um Criador de todas as coisas mas eu não creio na forma humana de adora-lo ou servi-lo, isso ai já é demais pra cabeça de qualquer pessoa que estude verdadeiramente e não fique apegada a livrinhos indutivos.

      Eliminar
    4. Saudações . Lembrar que uma religião sempre vem de outra , nunca acontece por acaso ,Moisés não só levou parte do conhecimento egípcio como a cabala mas também o simbolismo com que o pentateuco está escrito . Parabéns Gabriel.
      Wagner ...

      Eliminar
    5. Quer dizer que quando se fala algo à respeito da literalidade da Bíblia é "questão de interpretação", agora quando se refere a uma influência (que pra mim é evidente, só não encherga quem não quer ou está obstruído pelo fanatismo) evidente do livro dos mortos sobre a Bíblia a "questão da interpretação" não pode ser usada. Nossa, religiosos, vcs são uma piada mesmo, só rindo kkkkk

      Eliminar
    6. claro que nós religiosos somos uma piada,ate por que vocês ateus são as pessoas mais serias que existe que acreditam que o ser humano veio de um macaco e que viemos todos de uma única ameba,ah por favor a macroevolução é apenas uma fabula,a microevolução ate é um fato,mas a macro não é no mínimo ridículo e não faz sentido,pois ate já houveram tentativas de reprodução em laboratório que simulavam milhares de anos e mesmo assim falharam,entao por favor não me venham com seus ''argumentos''

      Eliminar
    7. Usamos a ciência para refutar os delírios religiosos. É mais complicado para qualquer religioso estudar e conhecer fatos científicos.

      Eliminar
  2. Eu concordo em que não é cópia!!!!!!!

    ResponderEliminar
  3. Aliás, hein... Belíssimos os 42 ítens do Livro dos Mortos! Vocês devem confessar que os egípcios, com todos os seus defeitos absurdos, tinham o mais vasto conhecimento das leis de Deus e cabia a eles serem boas pessoas na Terra ou não. Os outros "pecados", além dos 10 comparado aos de Moisés, são encontrados na bíblia em sua maioria- isso se não todos.
    Isso prova que o Deus Criador é um só e deseja o bem de qualquer filho Seu, independente de religião ou nação. Simples assim, não acham?
    Amei seu artigo! Me ajudou a ter ainda mais certeza de minhas convicções.
    Abraço, fique com Deus sempre.
    Cristiana

    ResponderEliminar
  4. O povo hebreu não tinha conhecimentos de nada e viviam no nada,até José traze los para o Egito,aprenderam muita coisa com os Egipcios,E isto procede.

    ResponderEliminar
  5. O povo hebreu não tinha conhecimentos de nada e viviam no nada,até José traze los para o Egito,aprenderam muita coisa com os Egipcios,E isto procede.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Jose não era egípcio pra começar ele foi parar la pelas mãos de Deus pq deus sabia que haveria fome na terra e outra o povo de Israel eram grandes pastores e ricos e temidos por todos por causa do deus de Israel ninguém se atrevia em toca-los vai ler a Bíblia pra depois falar e não passar vergonha jana!

      Eliminar
  6. Eu acredito que os 10 mandamentos da biblia foram copia do livro dos mortos porque e bem provavel que Moises estava dentro da forma intima,porque quado tornou-se lider emplementou o que tinha estudado com o rei que o acriou ,e oki tinha estudado,o com do livro dos mortos

    ResponderEliminar
  7. Quem é esse doido cara de pau que "tenta" desvincular os 10 mandamentos das 42 confissões negativas originadas no livro dos mortos ?

    ResponderEliminar
  8. O povo hebreu sempre foi rico, antes das 7 vacas magras e gordas. Estude a bíblia, Jana. Que absurdo suas informações.

    ResponderEliminar
  9. Antes da Jose do Egito Vir à Terra, o povo hebreu já era rico, tinha sua terra Canaã há muito, seu gado, seu ouro, sua prata, enfim, sua riqueza. Que decepção, Jana. Vá estudar, Linda. O Conhecimento derruba toda e qualquer ignorancia.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Povo hebreu é uma coisa. São os nascidos em Hebrom, como Abraão.
      Mas os descendentes de Abraão no Egito eram escravos, e eu não conheçi nenhum escravo rico.
      E se Moisés copiasse algo, pra que tiraria o politeísmo? Já que essa idéia de um só Deus era vista como loucura naquela região pelos demais povos.
      E sem falarmos do papiro de Ipwer que questiona o porquê das pragas estatem ocorrendo no Egito.
      Seria mais fácil pra Moisés ficar com a nobreza e administrar o seu povo de lá mesmo.
      Mas só pra quem ainda tiver dúvidas sobre o exodo, basta procurar no google as fotos de carruagens egílcias no fundo do Mar Vermelho.

      Eliminar
  10. É inacreditável como as pessoas duvidam da trajetória da religião católica , todos o conhecimento de todas a tribos ( *********-ita ) vem de um único lugar: - da Babilônia, todos os conhecimentos religiosos, regras e leis , está na terra a mais de 11 mil anos , entre as nações formadas após a babilônia.Os egípcios são nada mais que descendentes dos babilônios foragidos das leis severas desta nação.Formaram sua etnia junto com os núbios( que chamaram de Egito (Ta-netjeru ("A Terra dos Deuses") ,não é dificil saber como eram os egípcios , misturas dos foragidos da babilônia com os africanos.As leis dos egípcios vem da babilônia. O país era constituído por 12 cidades, cercadas de povoados e aldeias. No alto da estrutura política estava o rei, monarca absoluto que exercia o poder legislativo, judicial e executivo. Abaixo dele havia um grupo de governadores e administradores selecionados. Os prefeitos e conselhos de anciãos da cidade eram encarregados da administração local.

    Os babilônios modificaram e transformaram sua herança suméria para adequá-la a sua própria cultura e maneira de ser e influenciaram os países vizinhos, especialmente o reino da Assíria, que adotou praticamente por completo a cultura babilônica.
    BABILONIA = BIBLIA=BI a BL on IA = aon em hebraico significa (“Iniquidade” ou “culpa).
    Todos os seres humanos são descendentes dos povos de (HUR) colonizadores de toda Europa.)
    As regras e leis foi instituídas por um único DEUS, mas as tribos resolveram atribuir a outros DEUSES.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Excelente explicação histórica, parabéns!

      Eliminar
    2. Uma das alegações mais comuns no arsenal do ateísta (já que existem ateus bem informados que não caem nessas mesmas ciladas dos ativistas ateus) é que a Bíblia, o Gênesis, foi copiada de mitos sumérios (ou babilônicos, conforme for a variação do ateísta). Será que isso é simplesmente verdade ou fato historico?
      Os cinco primeiros livros da Bíblia, denominados Pentateuco, falam em grande parte das leis de Moisés. Os livros de leis eram muito importantes na Mesopotâmia, pensemos por exemplo no código de Hamurabi, rei da Babilónia. As colecções mais antigas de leis provêm da Suméria. Uma delas, escrita durante o reinado de Ur-Nammu da terceira dinastia de Ur (cerca de 2 000 a.C.), prevê coimas em vez da lei do talião (olho por olho) que encontramos na lei de Moisés. Embora haja diferenças das leis da Bíblia, encontramos muitas analogias entre a moral suméria e a bíblica. Num dos textos, podemos ler uma descrição da deusa Nanshe: “Aquela que conhece o órfão e a viúva, aquela que conhece a forma como um homem oprime outro… É Nanshe quem cuida da viúva e quem trabalha em prol dos direitos dos mais pobres.” Encontramos um teor semelhante em Isaías 1:23: “Os teus príncipes são rebeldes e companheiros dos ladrões; cada um deles ama o suborno e corre atrás de recompensas. Não defendem o direito do órgão nem chega perante eles a causa das viúvas.”
      Esta é uma alegação muito comum e que os ateístas e céticos adoram, como seu webmaster Erik Parker, e Martell Jason. Os ateítas amam reciclar velhas alegações já emboloradas, só para ludibriar uma nova geração com afirmações infundadas. Como eu já escrevi aqui antes esta ideia era muito comum no final do século 19, devido principalmente a duas forças históricas: a novidade da decifração do material cuneiforme, alguns itens dos quais soaram como histórias do Gênesis, e o antisemitismo abundante na maior crítica dos estudos bíblicos.



      Eliminar
    3. A lista de valores morais dos Sumérios assemelha-se muito à lista de normas bíblicas: verdade, paz, justiça e aversão aos enganos, guerras, queixas e angústias. Os Sumérios acreditavam, tal como também é indicado na Bíblia, que o homem era feito de barro “à imagem dos deuses.” Mas, ao contrário do relato da Criação, segundo eles o homem deveria permanecer imperfeito. No seu ponto de vista, os deuses não diriam jamais “está bem”. Eles pensavam que um só deus tinha criado seis tipos de seres anormais. Isso implica que, para os Sumérios, o sofrimento fazia parte da criação, enquanto que na Bíblia o sofrimento está ligado à queda do homem.
      Face ao sofrimento…

      Eliminar
    4. O livro de Job é uma obra literária importante sobre o sofrimento humano. Os Sumérios tratam deste problema num relato que se assemelha muito ao livro de Job. O relato salienta a única saída para quem pensa estar a sofrer injustamente: glorificar a Deus e suplicar-Lhe que escute as orações. O herói da história era rico, sábio e justo, mas ficou doente. Ele perseverou nas suas orações ao seu deus que, finalmente, as atendeu. Tudo leva a crer que o problema de Job era tão atual para os povos da antiguidade como é para o homem moderno.
      Muitos outros paralelismos com a Bíblia situam-se na esfera da vida quotidiana. “É nosso destino morrer, gastemos pois as nossas posses” assemelha-se curiosamente a “comamos e bebamos, pois amanhã morreremos” (Isaías 22:13). “O sono do trabalhador é doce” vai no mesmo sentido do que é dito em Eclesiastes (5:12): “Doce é o sono do trabalhador, quer coma pouco, quer muito (…)”

      Eliminar
    5. Recordações do Éden
      A Bíblia situa o jardim do Éden no Oriente. Embora não conheçamos a sua localização exacta, admitimos geralmente que se possa ter situado na Mesopotâmia. Os Sumérios conservaram a recordação desse inicio paradisíaco a que chamavam Dilmun, o que corresponde talvez à ilha de Bahrein. Existem muitas semelhanças entre Dilmun e o Éden. A água de Dilmun provinha de uma fonte. As mulheres davam à luz sem dor e um dos habitantes dói amaldiçoado depois de ter comido plantas proibidas. No entanto, também existem grandes divergências. A mais importante de todas era que o paraíso sumério não se destinava aos humanos, mas apenas aos deuses. Apesar destas divergências, as analogias reforçam a ideia de que a história bíblica não é uma invenção.

      Eliminar
    6. Um outro texto sumério fala do deus Dumuzi, que morreu e desceu ao inferno. Pouco depois, ressuscitou. A ideia de salvação e de ressurreição para uma vida de perfeição futura é uma ideia fundamental na fé bíblica. Os homens dos tempos bíblicos aspiravam de tal forma a uma ressurreição que procuravam preservar o culto a Dumuzi, mesmo que sob uma forma corrompida. O profeta Ezequiel fala disso e pronuncia palavras severas de condenação. O princípio bíblico da ressurreição não se baseia nas ideias dos Sumérios, mas as duas concepções reflectem sem qualquer dúvida o objectivo final de Deus para o homem.

      Eliminar
  11. As escavações arqueológicas realizadas permitiram que fossem encontradas importantes obras de literatura. Uma das mais valiosas é a magnífica coleção de leis (século XVIII a.C.) denominada Código de Hamurabi, que, junto com outros documentos e cartas pertencentes a diferentes períodos, proporcionam um amplo quadro da estrutura social e da organização econômica do império da Babilônia.

    Mais de 1200 anos se passaram desde o glorioso reinado de Hamurabi até a conquista da Babilônia pelos persas. Durante esse longo período, a estrutura social e a organização econômica, a arte e a arquitetura, a ciência e a literatura, o sistema judicial e as crenças religiosas babilônicas, sofreram considerável mudança. Baseados na cultura do Sumer, os feitos culturais da Babilônia deixaram uma profunda impressão no mundo antigo e particularmente nos hebreus e gregos. A influência babilônica é evidente nas obras de poetas gregos como Homero e Hesíodo, na geometria do matemático grego Euclides, na astronomia, astrologia, heráldica e na Bíblia.

    Uma das primeiras cidades construídas no mundo, é mencionada em documentos escritos há mais de 5000 anos a.C.

    Foi edificada numa parte do mundo onde nasceram as mais velhas civilizações, nas margens do rio Eufrates, no Iraque, no Vale da Mesopotâmia.

    ResponderEliminar
  12. É engraçado como os religiosos não podem responder a nós ateistas quando usamos logica e basamentos historicos, pra eles ou sempre estamos insultando-os, ou não pensamos na igualidade da logica de regras para a vivência normal para a comunidade, ou é apenas "fé". Pra mim religioso que é ignorante, se baseando em um livro escrito pelo homem e com diversas provas e frases que veem de antes mesmo de serem criadas.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Apesar de você não citar, fica evidente que você generaliza cristãos e religiosos. Pois bem ser cristão, não necessariamente é ser religioso, uma vez que a religião se aplica a costumes, maneiras e cultos que muitas vezes podem ser considerados tipos de idolatria, o que confronta o 2° mandamento, o cristão por sua vez, seguidor de Cristo, não se baseia em palavras escritas por homens, mas palavras escritas por homens inspirados por Deus. O Cristão tem sua vida de devoção por experiências vividas com o Deus Vivo. Não é difícil para nós Cristãos imaginar, ou acreditar no que a Bíblia relata, afinal nós vivemos provas vivas no dia a dia, tão pouco é difícil entender o pensamento de céticos e ateus, afinal nunca tiveram uma experiência com Deus e se acham donos da lógica humana o que para Deus não vale em nada, mas essa Bíblia nos diz, "muitos serão os chamados, poucos serão escolhidos". Não é o fato de você ateu ter sido chamado a vida que vai fazer você ser um escolhido de Deus para entender o Ele nos diz desde o início. Contudo enquanto há vida há esperança, busque ter uma experiência verdadeira e você deixará de seu ceticismo e de sua ignorância espiritual. Deus te ama.

      Eliminar
  13. É engraçado como os religiosos não podem responder a nós ateistas quando usamos logica e basamentos historicos, pra eles ou sempre estamos insultando-os, ou não pensamos na igualidade da logica de regras para a vivência normal para a comunidade, ou é apenas "fé". Pra mim religioso que é ignorante, se baseando em um livro escrito pelo homem e com diversas provas e frases que veem de antes mesmo de serem criadas.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Exato, a religião é pra política e foi se modificando para se adaptar as novas civilizações. O principal objetivo sempre foi o controle pelo medo e poder.

      Eliminar
  14. Teste para ver se minha mensagem anterior foi enviada

    ResponderEliminar
  15. Não só os mandamentos foram baseados como muitos conceitos religiosos, como vida após a morte e vários outros rituais. a religião é pura política e foi sendo modificada para melhor exercer sua função de controlar as pessoas pelo medo do desconhecido.

    ResponderEliminar
  16. Sou pleno ignorante comparado ao pessoal ai... será que esse tal livro dos mortos relata a criação, as profecias, as promessas, messias e todas as outras coisa que encontramos na Bíblia??? OU ta querendo resumir tudo em uma coincidência entre mandamentos??? Inicialmente quem te passa uma ideia de conduta são nossos pais.. onde estes aprenderam com os pais deles.... e assim vai.. considerando que os mandamentos é para nossos próprio bem, bem de um viver em comunidade civilizada. Claro que por eu crer em Deus, logo creio na Bíblia, entretanto não quero usar a Bíblia como argumentos para os descrentes. Para os ateistas de plantão que gostam desse livro dos mortos ai... pare de ser ateitas, pois o livro dos mortos mostram exatamente o contrário... então meus queridos... vcs acabarade de passar de ateistas para politeistas.. rsrsr Fiquem com Deus.... e outra gente... discutir não leva nada cada um acredite do que quiser e no fim a gente confere.

    ResponderEliminar
  17. s semelhanças entre a mais antiga civilização da Mesopotâmia e a Bíblia não provam os princípios da fé cristã nem mesmo a fiabilidade histórica dos relatos bíblicos. Todavia, é tranquilizador constatar que o ensino bíblico que é importante para nós e reflecte na história de outros povos. Podemos presumir que a humanidade conhecia e apreciava os relatos que descreviam a formação do mundo. Muitos cristãos têm a convicção de que a Bíblia transmite essas histórias na sua forma mais pura. O facto de outras civilizações, como os Sumérios, terem conhecimento de relatos semelhantes só pode fortalecer a fé dos cristãos na veracidade da Palavra.

    ResponderEliminar
  18. "lembram vagamente" VAGAMENTE? Moisés só trocou algumas palavras.

    ResponderEliminar