quarta-feira, 26 de julho de 2017

História de Jonas e o peixe - fato ou mito?



A história de Jonas e o peixe se encontra no pequeno livro bíblico de Jonas, cujo autor seria o próprio profeta. Esse mesmo profeta foi citado em 2Reis 14:25. Fora isso, pouco se fala de Jonas. Sabemos que ele era natural de Gate-Hefer, uma pequena aldeia de Zebulom, na Galiléia.

Segundo o relato bíblico, esse profeta passou 3 dias e 3 noites nas entranhas de um grande peixe, após ser literalmente engolido por ele (Jonas 1: 17).

"O Senhor ordenou que um grande peixe engolisse Jonas. E ele ficou dentro do peixe três dias e três noites." (Jonas 1:17 - Nova Tradução na Linguagem de Hoje)

Essa é uma das histórias mais controversas da bíblia. Ela não só é questionada pelos incrédulos como também por alguns eruditos bíblicos modernos que a consideram apenas um "conto religioso" preparado com fins edificantes depois do exílio (Dicionário Bíblico Universal - Buckland, pág.241). Muitos leitores bíblicos, porém, acreditam que essa passagem narra um fato real... Algo que realmente aconteceu ao profeta.

Impossível, de acordo com os críticos 


Os críticos alegam que seria impossível que Jonas sobrevivesse por 3 dias e 3 noites no ventre de um peixe. Isso seria humanamente impossível! Dizem. É interessante notar que esses críticos geralmente têm uma visão muito naturalista da coisa. Eles simplesmente se recusam a levar em conta o fator sobrenatural. É como se para eles Deus fosse limitado ao mundo natural e só pudesse realizar coisas "cientificamente possíveis". Esse pensamento filosófico que considera o mundo físico como o princípio único e absoluto do real pode até ser compreensível quando observado num ateu, mas não num crente.

É cientificamente possível que um homem sobreviva por algum tempo no ventre de um peixe? 


 Em espécies fisóstomas, por exemplo, existe uma ligação entre a bexiga natatória e o aparelho digestivo, o que proporciona um processo fisiológico onde o estômago do peixe serve como um ducto (pneumoduto) de passagem de ar para a vesícula gasosa (Harder, 1975).



Se tivéssemos um peixe grande o suficiente para engolir um homem, e que contasse com um sistema desses, esse homem poderia sobreviver por algum tempo no ventre desse peixe.

tubarão-baleia


E peixe grande é o que não falta no oceano! O tubarão-baleia, por exemplo, é o maior peixe vivo conhecido atualmente. Ele pode chegar a 20 metros de comprimento e pesar algumas toneladas. Apesar de o tubarão-baleia ser praticamente inofensivo aos seres humanos, sua enorme boca cavernosa poderia facilmente acomodar um homem, ou até mais de um.



 Seu enorme estômago cardial também poderia facilmente acomodar um homem. O fato de o tubarão-baleia não usar seus afiados dentes na hora de se alimentar pode ser um fator que possibilitaria a um homem continuar vivo mesmo após ser engolido por um peixe desses. Esse peixe tem o costume de sugar suas presas para dentro de sua boca.
É possível também que um homem eventualmente engolido por esse peixe seja expelido por ele em segurança. Segundo a revista National Geographic (dezembro de 1992), esse tipo de tubarão pode esvaziar vagarosamente o conteúdo de seu estômago empurrando tal conteúdo em direção a boca.

Não sabemos especificamente qual tipo de peixe engoliu o profeta Jonas, mas como podemos ver, isso é algo cientificamente possível.

Um caso interessante


Luigi Marquez


Apesar de a baleia não ser um peixe, gostaria de citar um caso interessante que aconteceu com um pescador chamado Luigi Marquez (VIDE). Após ficar à deriva por causa de uma tempestade, esse pescador foi engolido por uma baleia e passou 3 dias no interior dela, sendo expelido posteriormente ainda com vida, algo que lembra muito a história bíblica de Jonas. Marquez conta que passou muito frio no interior da baleia, e que o cheiro ali era horrível. "Era cheiro pútrido", relatou o pescador. Ele também observou que estava muito escuro e que a única fonte de luz que tinha era a de seu relógio à prova d’água. Ele sobreviveu comendo alguns peixes que encontrou no interior da baleia. Seria isso uma "estória de pescador"? Talvez sim, talvez não! Mas de qualquer forma é possível.


2 comentários:

  1. cade aquele Thiago Freitas agora pra dizer que tudo isso é mito e não sei que mais que a bíblia é um conto de fadas não sei que mais viu.

    ResponderEliminar
  2. Caro administrador:
    Eu gostaria de seu parecer sobre a autoria dos livros bíblicos. Porque alguns não apresentam características de que fossem escritos por quem se atribui.
    Citando específicamente o livro de Jonas, a narrativa é contada na terceira pessoa, indicando que não seria o próprio Jonas quem o escreveu. Assim como em Deuteronômio, que atribuem a Moisés, mas como escreveria no pós mortem?
    Aguardo sua resposta.

    ResponderEliminar