sexta-feira, 4 de dezembro de 2015

Respostas sobre a Arca de Noé

Os ateus militantes pensam ter encontrado várias impossibilidades na história bíblica da Arca de Noé. Nesse artigo vou mostrar algumas dessas alegações.


O tamanho da arca seria insuficiente para comportar todas as espécies existentes no mundo?

Quantas espécies existem no planeta? Já vi muitos ateus dizendo que são 10 milhões de espécies. Na verdade esse número pode variar, dependendo do ateu que questiona, veja os prints: 

10 milhões?

8,7 milhões? 

50 milhões? Esse foi mais generoso! kkk

Na verdade o número de espécies conhecidas e catalogadas pelos cientistas é bem menor que isso. O número real gira em torno de 1,7 milhões de espécies, o que inclui insetos, protozoários, plantas, algas, fungos, bactérias, vírus e os animais, é claro! Essas cifras de 10 ou 50 milhões utilizadas pelos ateus são números hipotéticos, ou seja, é a quantidade de espécies que alguns cientistas ACHAM que existe no planeta. 



De qualquer forma, 1,7 milhões de espécies ainda é muita coisa para caber numa embarcação como a Arca de Noé. Mas vamos atentar para um detalhe importante: mais de 50% desses 1,7 milhões de espécies são insetos. Quanto espaço da arca seria necessário para acomodar 950 mil insetos? Não muito, visto que eles geralmente são bem pequenos.



Protozoários, fungos, bactérias e vírus também constam nesse número total de espécies, e obviamente também não ocupariam muito espaço na arca. 
Quem mais ocuparia espaço são os animais, que não representam nem 20% do número total de espécies conhecidas. A maior parte desses animais tem o tamanho médio de uma ovelha. Animais gigantes como o elefante e a girafa são minoria. 



Animais aquáticos também não devem ser contados entre os animais que estavam na arca, pois não precisavam dela para sobreviver. Eles já estavam em seu habitat natural. Mas e os peixes de água doce? Alguém certamente vai perguntar! Eles não sobreviveriam na água salgada. 

A concentração de sal nas águas do mar provocaria uma perda de fluídos nos peixes de água doce, o que seria fatal para eles. No entanto esses peixes podem ter sobrevivido em bolsões de água doce que não se misturaram com a água salgada. No Mar Negro, por exemplo, ainda podemos encontrar bolsões de água doce dois metros abaixo do fundo (link). Além disso, ao que tudo indica, as águas do oceano no tempo do dilúvio não eram tão salgadas assim. 



O sal do mar é formado pelos sais minerais extraídos das rochas, que as águas dos rios e chuvas retiram ao baterem nelas, e levam para os oceanos quando deságuam nestes. Aí, quando o sódio se mistura com o cloreto, se forma o sal. Após o dilúvio, que "lavou" o Planeta, a taxa de sal nos oceanos deve ter aumentando muito, e aí, os peixes que não encontraram água doce, tiveram que lutar para se adaptar na salgada ou foram extintos.

Isto talvez explique o alto número de espécies marinhas extintas.

As chamadas subespécies também não estavam na arca, pois de acordo com o relato bíblico, somente as "espécies básicas" (hb.mayin), entraram na arca. 

A classificação de espécies utilizada no livro de Gênesis não é a mesma classificação taxonômica que conhecemos atualmente. O modelo de classificação utilizado no livro de Gênesis é semelhante ao modelo proposto pelo criacionista Frank L. Marsh (biólogo). Esse modelo se chama baraminologia. A palavra “espécie” que aparece no livro de Gênesis vem do hebraico “Mayin” e significa literalmente “espécies básicas”. Espécies básicas são as espécies originalmente criadas (refere-se aos animais criados originalmente por Deus). Todos os grupos de animais que possuem a capacidade genética de cruzarem entre si (capacidade de combinação genética), fazem parte da mesma espécie básica ou baramin. Esses grupos de animais sofreram especiação (isolamento reprodutivo) e uma grande mudança genética ao longo de milhares de gerações. Veja que não estou falando de evolução darwiniana, com aparecimento gradual de características úteis e acréscimo de complexidade ao longo de milhões de anos, mas de um processo de diversificação dos tipos (espécies básicas). Atualmente temos milhões de espécies e subespécies. Todas essas espécies vieram das espécies básicas que Noé salvou na arca. Cientistas criacionistas calculam que o número de animais que entraram na arca gira em torno de 35 a 60 mil animais. 

Os dinossauros estavam na arca?



De acordo com a cronologia aceita pelos evolucionistas, homens e dinossauros jamais se encontraram frente a frente. Os humanos teriam surgido no planeta bem depois da extinção dos dinossauros, que teria ocorrido, dizem, há 65 milhões de anos, com a queda de um asteroide.



No entanto alguns achados arqueológicos têm contestado essa hipótese. Em muitos locais do mundo foram encontradas pinturas rupestres feitas por povos primitivos. Alguns dinossauros aparecem nessas pinturas, dando a entender que esses povos primitivos conviveram com essas criaturas. Tenho um artigo completo sobre esse assunto AQUI.



É bem provável que os dinossauros também estivessem na arca. O principal questionamento dos ateus nesse ponto é sobre o tamanho dessas criaturas. Nós sabemos que muitos dinossauros eram gigantescos e certamente ocupariam muito espaço da arca. 

Sempre quando vejo um ateu fazendo esse tipo de questionamento, a primeira pergunta que faço a ele é: "Por que Noé levaria, por exemplo, um diplodoco adulto, pesando 20 toneladas e medindo 27 metros, se ele podia, ao invés disso, levar um filhote de diplodoco com apenas alguns centímetros e uns quilinhos? Lembre-se de que a finalidade da arca era a de preservar aquelas espécies. Então tanto faz se fossem filhotes. Aliás!Seria até melhor se fossem filhotes, pois filhotes são mais fáceis de controlar e consomem uma quantidade consideravelmente menor de alimentos.



Outra evidência de que os dinossauros estavam presentes no dilúvio é a grande quantidade de fósseis encontrados em “postura opistotônica”, conhecida como a "pose da morte". 



Por muitos anos os paleontólogos tentaram descobrir porque muitos fósseis de dinossauros apresentavam uma característica comum: cabeça lançada para trás e pescoço curvado. Isso é tão comum que recebeu até um nome: “postura opistotônica”. A primeira referência à postura opistotônica numa publicação científica foi feita em 1859 (Wagner A, “Über einige, im lithographischen Schiefer neu aufgefundene Schildkröten und Saurier,” Gelehrte Anz königl Bayer Akad Wiss 69:1-69, 1859).



Em 2007 foi publicado um estudo que aparentemente resolveu o mistério. O estudo, feito por uma veterinária (Dra. Cynthia Marshall Faux) e por um paleontólogo (Dr. Kevin Padian), concluía que a postura opistotônica dos dinossauros era recorrente de espasmos musculares perimortem resultantes de várias aflições do sistema nervoso central. Os dinossauros atingiriam essa postura no momento, ou perto do momento da morte. Descartava-se, portanto, que essa postura era adquirida após a morte do animal (Faux CM, Padian K, “The opisthotonic posture of vertebrate skeletons: post-mortem contraction or death throes?,” Paleobiolology 33:201–226, 2007).



Recentemente foi publicado um experimento realizado por Alicia Cutler, onde galinhas mortas eram imersas em água e entravam na postura opistotônica em questão de segundos (VIDE).

A postura opistotônica em carcaças de répteis de pescoço longo e cauda longa depositadas subaquaticamente é o resultado de um processo postmortem.  Esta postura deve ser vista como um fenômeno normal que ocorre durante a incorporação gradual e subaquática destes tipos de carcaças (Achim G. Reisdorf and Michael Wuttke, “Re-evaluating Moodie’s Opisthotonic-Posture Hypothesis in Fossil Vertebrates Part I: Reptiles—the taphonomy of the bipedal dinosaurs Compsognathus longipes and Juravenator starki from the Solnhofen Archipelago (Jurassic, Germany),” Palaeobiodiversity and Palaeoenvironments 92:119-168, 2012).

Portanto a presença da postura opistotônica nos fósseis de muitos dinossauros evidencia que a água estava presente no momento da morte deles, e muito provavelmente foi a responsável por essas mortes. Mas qual inundação seria grande o suficiente para matar tantos dinossauros no mundo todo?


O tamanho da arca



A arca não era um "barquinho", como imaginam alguns ateus militantes. A bíblia fornece as medidas da arca: 135 metros de comprimento, 22,5 metros de largura e 13 metros de altura. Isso corresponde a aproximadamente 40 mil metros cúbicos, o equivalente ao tamanho de um prédio de 67 andares deitado. 


Como as plantas sobreviveram?


A bíblia nos diz que quando as águas do dilúvio começaram a baixar, Noé soltou um corvo, na tentativa de ver se o pássaro conseguiria encontrar terra firme. Mas o corvo não conseguiu achar terra seca e ficou dando voltas ao redor da arca. Depois Noé tentou novamente e soltou uma pomba, que também não conseguiu encontrar terra firme e voltou para a arca. Sete dias depois, Noé soltou a pomba novamente, e quando ela retornou para a arca, trazia em seu bico uma folha nova de oliveira (Gênesis 8: 7 - 11).

De onde surgiu essa oliveira? Você já parou para pensar nisso? Como essa e outras plantas conseguiram reaparecer após o dilúvio? 
Segundo um estudo, algumas árvores conseguem sobreviver por muito tempo debaixo d’água. Antes de começar o crescimento e quando a respiração é comparativamente fraca, as plantas podem permanecer por longo tempo debaixo da água sem quaisquer efeitos posteriores e prejudiciais visíveis, visto que sua necessidade de oxigênio é reduzida e pode ser completamente suprida pelo oxigênio na água que envolve as plantas, especialmente se for água corrente.” (Fonte: Hibernação das Plantas -1956, em inglês, por  M. Vasil’yev). 

Muitas sementes de plantas terrestres também conseguem sobreviver por longos períodos, imersas em várias concentrações de água salgada  (Howe, G. F., 1968. "Seed germination, sea water, and plant survival in the Great Flood." Creation Research Quartely 5: 105-112) . Outras plantas poderiam ter sobrevivido em massas flutuantes de vegetação, ou nas pedras-pomes oriundas de atividades vulcânicas.

Como animais que só existem em continentes específicos chegaram até a arca?


Se você observar o Mapa-múndi, perceberá que os continentes parecem peças de um imenso quebra-cabeças. É impressionante como o continente americano parece se encaixar perfeitamente no continente africano! 


Ao observar isso, o meteorologista alemão Alfred Wegener sugeriu que num passado remoto nosso planeta poderia ter tido apenas um grande continente, que veio a se separar posteriormente. Essa proposta não foi aceita pela comunidade científica da época de Wegener, mas tempos depois acabou sendo aceita pelos cientistas. Hoje esse continente único é chamado de Pangeia. 

Os cientistas acreditam que esse super continente se fragmentou há mais de 200 milhões de anos. Eles se baseiam principalmente na velocidade de deslocamento atual dos continentes, que é de aproximadamente 10 centímetros por ano.

Para os criacionistas esse cálculo é altamente contestável, pois não podemos determinar se os continentes sempre se deslocaram nessa velocidade. É muito provável que no início o deslocamento era bem mais rápido, tornando a deriva continental mais recente. Para se ter uma ideia, atualmente nem todas as placas se movimentam na mesma velocidade. Algumas partes da placa Nazca, por exemplo, se locomovem a 18 centímetros por ano.
Assim, os criacionistas acreditam que na época do dilúvio só existia um continente, que acabou sendo fragmentado durante o próprio dilúvio, que foi uma catástrofe sem precedentes. 
Portanto não haveria problema algum no deslocamento dos animais para a arca.  


Como os animais se espalharam pelos continentes após o dilúvio? 

Localização da Beríngia

A explicação criacionista é muito parecida com a explicação da ciência tradicional quando ela teoriza sobre a dispersão dos seres vivos para os diferentes continentes após a fragmentação da Pangeia, diferenciando-se somente, na questão da data desse evento, pois o criacionismo não se baseia na filosofia da uniformidade. 
Acreditamos que após o dilúvio houve um grande resfriamento no planeta (o que a ciência uniformitarista chama de período glacial). Os animais teriam migrado para outros continentes utilizando passagens que se formaram durante esse período de resfriamento, como, por exemplo, a Beríngia (Ponte de Bering). É claro que isso é apenas uma hipótese. 



Como Noé conseguiu alimentar tantos animais?



A própria estrutura da arca pode ter contribuído para o baixo consumo de alimentos. A arca tinha 3 pisos (andares). O peso da arca somado ao peso de sua carga faria com que os dois pisos inferiores ficassem sempre abaixo do nível da água, o que tornaria esses compartimentos muito frios e escuros. Esse ambiente seria propício para que os animais entrassem num processo de hibernação e torpor. 
Alguns animais entram em processo de torpor para economizar energia diante de condições adversas como o frio ou a falta de alimentos. Nesse período o metabolismo deles é alterado, ficando mais lento. 
A hibernação também é um mecanismo de sobrevivência utilizado por muitos animais em períodos em que as condições ambientais se encontram bastante adversas ou ainda quando a quantidade de alimentos disponível é menor do que a necessária para a manutenção da temperatura corporal do animal. Ao reduzir ao máximo o seu metabolismo durante a hibernação, o animal gasta menos energia, e portanto consegue sobreviver apenas com a energia mínima necessária. 
Assim esses animais comem menos e consequentemente produzem poucos dejetos. 

E quanto aos animais carnívoros? 

Os ateus militantes sempre fazem questão de citar os animais carnívoros quando falam sobre a Arca de Noé. Eles sempre perguntam: "Como os animais carnívoros eram alimentados?" ou, "Como Noé fez para impedir que os animais carnívoros atacassem os outros animais presentes?"
Claro que qualquer explicação que eu possa dar a respeito será mera conjectura, pois eu não estava lá para ver como Noé se virou. No entanto, porém, a bíblia faz uma afirmação um tanto incomum sobre os animais antediluvianos. Segundo o relato de Gênesis todos os animais antediluvianos eram herbívoros:

"E a todo o animal da terra, e a toda a ave dos céus, e a todo o réptil da terra, em que há alma vivente, toda a erva verde será para mantimento; e assim foi."
Gênesis 1:30
Claro que não espero que os ateus acreditem nisso. Cientificistas como são, com certeza vão debochar dessa afirmação. No entanto, porém, um caso atípico parece corroborar com o relato bíblico, mostrando que isso não é biologicamente impossível. Estou me referindo ao caso da leoa Little Tyke, que passou toda sua vida sem comer um único pedaço de carne (Westbean, G., Little Tyke: the story of a gentle vegetarian lioness, Theosophical Publishing House, IL, USA, 1986, páginas 3-6, 17, 32-35, 59-60, 113-114).



Por mais que tentassem oferecer carne para essa leoa, ela se recusava a comer, preferindo continuar em sua dieta vegetariana (Creation ex-nihilo vol. 22, nº 2, de março-maio de 2000 ).

































29 comentários:

  1. Sério. Nunca li tanta loucura quanto nesse texto. Percebe-se o grau de alienação onde a pessoa está desperada pra provar sua fantasia em nome de uma esquizofrenia coletiva.. Da mesma forma que usa pretextos pra justificar preconceitos e outros crimes. O ser humano pode ser nojento

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Como você conseguiu ser muito nojento agora. É burro demais ou não percebeu que são RESPOSTAS A QUESTÕES sobre a Arca de Noé? Alienado é tu com os teus líderes neo-ateus de plantão.

      Eliminar
    2. Respostas? Tipo essa de um filhote de diplodoco, a pangeia se separando em alta velocidade e de que TODOS os animais hibernaram?? Kkkkk
      Sério, vcs são uma piada. E ainda ficam todo irritadinhos com quem mostra a realidade

      Eliminar
    3. "Alienação" e "Esquizofrenia coletiva"?..Fico imaginando se um mundo de maioria ateia seria tão bom e tolerante como muitos dizem. Amigo..vejo neo-ateus com essa postura aos montes, postura de alienado e preconceito, para ter absoluta certeza que um mundo de maioria ateia não seria muito melhor do que é hoje.
      Teríamos homens bombas mandados pelo "Estado Marxistas" explodindo a luz do dia em Wall Street.

      Eliminar
    4. Não exist em livros ateus que pregam matar teístas. Mas existem livros cristãos que o fazem. Pregam medo, ódio e preconceito. Além de espalhar ignorância como no exemplo do Leandro. Ser ateu não é ser marxista. Ser religioso é ser um dejeto mental. Ópio do povo, é a melhor definição a respeito de vocês e é mundialmente propagado

      Eliminar
    5. Então use seus conhecimentos para refutar o texto em vez de ficar debochando que nem um neo ateu militante.
      "a pangeia se separando em alta velocidade" mas e daí?? Eu poderia te explicar um pouco sobre a teoria das hidroplacas, mas não tenho tempo pra isso, pesquise você mesmo.

      Eliminar
  2. Amigo, sua ingenuidade me comove! Acho que o senhor não entendeu o que eu disse.
    Primeiro: Eu disse que se o invés de termos a maioria da população mundial de teísta e tivéssemos a maioria ateísta teríamos os mesmos problemas que temos hj, conflitos, guerras, golpes.
    Segundo: Eu não disse que todo ateu é marxista, apenas usei o marxismo como exemplo. ( os invés de Estado Islâmico teríamos Estado Marxista)
    Terceiro: O amigo diz que não existem "livros" ateus que incitam o ódio e o preconceito contra os que crêem. Bem, o senhor já leu "Deus, um delírio?" ou pelo menos algum tipo de constituição de países que tinham o ateísmo como base? Ou os livros de regras de algum movimento ateu extremista como por exemplo os espanhóis? Leia amigo, mas por favor leia com a mente aberta e assim como eu admitido que muitos textos religiosos interpretados de forma literal pode levar a violência e extremismo o senhor também vai ter que admitir que existem muitos textos ateus que fazem o mesmo.
    Vou te deixar um exemplo:
    Trecho da constituição da Albânia de Enver Hoxha.

    O artigo 37 diz:

    “O estado não reconhece nenhuma religião e apóia a propaganda ateísta para o propósito de inculcar a visão de mundo do materialismo cientifico no povo.”




    O artigo 55 diz:

    “A criação de qualquer tipo de organização de caráter fascista, anti-democratica, religiosa e anti-socialista é proibida.

    Atividades e propagandas fascistas, anti-democraticas, religiosas, belicistas e anti-socialistas, bem como o incitamento ao ódio nacional e racial estão proibidos.”

    Abraços!!!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Com todo respeito!!Vocês tem o direito de viverem nesse mundinho simples de faz-de-conta que sempre acompanhará as verdades sagradas de vosso livro mágico e falacioso.

      Eliminar
  3. Terceiro: O amigo diz que não existem "livros" ateus que incitam o ódio e o preconceito contra os que crêem. Bem, o senhor já leu "Deus, um delírio?" ou pelo menos algum tipo de constituição de países que tinham o ateísmo como base? Ou os livros de regras de algum movimento ateu extremista como por exemplo os espanhóis? Leia amigo, mas por favor leia com a mente aberta e assim como eu admitido que muitos textos religiosos interpretados de forma literal pode levar a violência e extremismo o senhor também vai ter que admitir que existem muitos textos ateus que fazem o mesmo.
    Vou te deixar um exemplo:
    Trecho da constituição da Albânia de Enver Hoxha.

    O artigo 37 diz:

    “O estado não reconhece nenhuma religião e apóia a propaganda ateísta para o propósito de inculcar a visão de mundo do materialismo cientifico no povo.”




    O artigo 55 diz:

    “A criação de qualquer tipo de organização de caráter fascista, anti-democratica, religiosa e anti-socialista é proibida.

    Atividades e propagandas fascistas, anti-democraticas, religiosas, belicistas e anti-socialistas, bem como o incitamento ao ódio nacional e racial estão proibidos.”


    Seus argumentos são um tiro no próprio pé.
    O livro deus um delírio não prega que teistas devam ser assassinados e execrados. Não faz distinção de gêneros e orientação sexual ou preconceito com classes sociais e raças.. Mas a bíblia faz.
    A constituição da Albânia não diz que aplicará pena de morte a teístas, muito pelo contrário: no próprio texto que vc colou destaca que religiões devem ser proibidas justamente por propagarem ignorância com contos defadas desnecessários que promovem ódio, alienação e preconceito. Portanto não há nenhuma razão para se considerar a continuação de propagação dedogmas sem nenhuma justificativa ou comprovação de veracidade, caso contrário seria permitido também autrizar a prática aos rituais do deus unicórnio rosa invisível em que deverão ser desvirgindadas 77 criancas virgens que deverão se alimentar do seu proprio cordão umbilical preparado na noite da ultima terça feira antes do ano findar..
    Não há crime em questionar e tentar proibir uma religião criminosa. O crime deveria ser continuar pregando uma religião criminosa, e essa é a luta que lutamos e estamos próximos de vencer, pois o declínio do cristianismo está próximo

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. "o Estado também punia a propaganda e atos públicos religiosos por meio do Código Penal de 1977." (http://vermelhoaesquerda.blogspot.com.br/2013/02/a-nova-albania-as-politicas-ateistas-de.html)

      Eliminar
    2. A Constituição da Albânia coloca atividades religiosas no mesmo patamar de atividades belicistas. Isso deve implicar em repressão violenta. De fato, http://www.jstor.org/stable/128810

      Eliminar
  4. Dinossauros na arca??O continente australiano estava logo ali perto do Oriente Médio no período desse suposto dilúvio??Cientistas criacionistas??Eu nunca vi tantos absurdos e tanta forçação de barra juntos!!KKKKKKKKKK!!Esse site só pode ser a expressão do bom humor de criacionistas fanáticos!!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. "O continente australiano estava logo ali perto do Oriente Médio no período desse suposto dilúvio??"
      Teoria das hidroplacas.
      "Cientistas criacionistas??" Sim, existem.
      Vocês estão parecendo a queles cientistas do passado que ridicularizavam qualquer teoria só por serem contrao que vocês acreditam, explique com suas palavras o por que essas afirmações são absurda.

      Eliminar
  5. Recomendo assistir o vídeo "Geologia e Hidrodinâmica" do professor Adauto Lourenço.

    ResponderEliminar
  6. Figura1:*Quando olhamos para as estratificações do Grand Canyon percebemos a falta de erosões entre as estratificações pois se o solo foi formado lentamente era de se esperar erosões como em qualquer solo vista no mundo
    *Outro problema para essa teoria de que isso leva milhões de anos para se formar são fóssil que atravessam mais de uma camada e as árvores poliestrata que atravessam milhões de anos em algumas estratificações e algumas com as raízes para cima.
    *Outro problema na minha visão é que para o os seres serem preservados tem que haver um soterramento rápido
    *Outro problema para essa teoria dos milhões de anos é que esse processos de estratificação já foi observado no monte Santa Helena acontecendo em horas depois de uma catástrofe gerada por uma erupção.
    * O mais provável na minha visão no caso do Grand Canyon é que ele foi formada depois de um grande catástrofe relacionada a muita água https://scontent.frao1-1.fna.fbcdn.net/hphotos-prn2/v/t1.0-9/10802035_328065027380578_6948848738732392838_n.jpg?oh=5b6c4501640579e004b828303d06180a&oe=573E4AB0

    ResponderEliminar
  7. Observação de evidências:A 18 de Maio de 1980, a Mãe Natureza decidiu deixar o Uniformitarismo de lado e surpreendeu os evolucionistas com surpreendentes alterações geológicas num curto espaço de tempo. Após muitos anos de inactividade, o Monte de Santa Helena, situado no Estado de Washington, entrou violentamente em erupção. Resultado:
    1) Em apenas 9 horas, a paisagem ficou irreconhecível. As fortes erupções vulcânicas juntamente com o terramoto que se fez sentir resultaram na destruição de 1/4 das árvores do monte. O próprio rio que banhava o norte e o noroeste do monte ficou submergido. A extrema devastação fez com que, em apenas 9 horas, a região circundante do Monte de Santa Helena ficasse irreconhecível.
    2) Canhões (canyons) formados em apenas 5 meses. O fluxo piroclástico e a lama resultante da erupção originaram a formação de dois canhões. Entre cada canhão corria um riacho. A explicação evolucionista típica diz que um riacho pode originar um canhão ao fim de muitas centenas de anos. No caso do Monte de Santa Helena, os canhões foram formados em apenas alguns meses e um riacho começou a correr entre eles.
    3) A topografia do local mudou em apenas 5 dias.
    4) Estratificação em apenas 3 horas. Os evolucionistas afirmam que a formação de várias camadas sedimentares é um processo que demora longos e enfadonhos anos (o enfadonhos é meu). Contudo, neste caso apenas foram necessárias 3 horas para ser possível observar estratificação. A estratificação foi rápida, ao contrário do que contam
    5) Um novo canal formado em apenas 9 horas. Uma outra erupção vulcânica no mesmo monte derreteu uma grande quantidade de neve que se tinha acumulado na cratera durante o inverno. A água misturada com o material solto na encosta do monte originou um grande fluxo de lama. Em nove horas, este fluxo abriu um canal de drenagem, reabrindo, assim, a conexão com o Oceano Pacífico, anteriormente impedida por culpa da primeira erupção, em 1980.
    6) A acumulação no fundo do mar dos troncos que se afundaram sugere a ideia de várias florestas de diferentes gerações. Cerca de um milhão de árvores foram “varridas” para o Spirit Lake no dia da erupção. Com o passar dos anos as árvores foram-se afundando. Ao fim de 10 anos, elas dão a aparência de que cresceram e morreram onde se encontram, uma floresta após outra ao longo de milhões de anos. Mas tudo isso aconteceu em 10 anos.
    7) Um novo modelo para a formação do Carvão. O cientista Steve Austin avançou com um novo modelo para a formação do carvão. Um modelo que conta uma história diferente daquela que conta a maioria dos evolucionistas. O resultado foi um doutoramento para Steve Austin na Pennsylvania State University. O modelo foi comprovado 10 anos após a erupção no Monte de Santa Helena.
    Milhões de anos? Mesmo?
    Quando um geólogo evolucionista olha para formações como o Grand Canyon ou as Montanhas Rochosas no National Park vem logo à cabeça aquela ideia dos milhões de anos. Estas grandes formações só podem ser o resultado de milhões de anos de acumulação de sedimentos, certo? Errado. Este exemplo do Monte de Santa Helena mostra-nos que não são precisos milhares ou milhões de anos para que estas formações grandiosas se originem.
    Uniformitarismo?

    ResponderEliminar
  8. A datação de várias rochas originadas pela erupção deu idades completamente disparatadas. Rochas que se sabe que têm cerca de 20 anos foram avaliadas em milhões de anos. Certamente também merecerá a minha atenção num futuro post. Parece que o pressuposto filosófico do Uniformitarismo, neste caso, não resulta. Agora pensem: quantas erupções vulcânicas já aconteceram e que são do nosso conhecimento? Muitas. É só procurar no Google ou no Youtube algo do género “vulcão em erupção”. Umas metem mais medo que outras. Agora pensem: quantas erupções vulcânicas terão acontecido no passado? Erupções que ninguém teve a oportunidade de documentar…? Apesar de exemplos como este, os mais tapados pela hipótese da Evolução continuam com uma fé cega no Uniformitarismo, dizendo que “é o melhor que temos”.
    O Dilúvio de Noé?
    O que aconteceu no Monte de Santa Helena é uma oportunidade rara para estudar processos geológicos que produziram, em apenas alguns meses, coisas que os geólogos pensavam que apenas poderiam acontecer em milhares ou milhões de anos. O catastrofismo do Monte de Santa Helena é apenas uma amostra daquilo que foi o Dilúvio nos tempos de Noé. Tal como este vulcão entrou em erupção repentinamente, após 127 anos de inactividade, matando 57 pessoas, também nos tempos de Noé ninguém contava com o Dilúvio. E tal como este vulcão originou aquilo que originou em apenas algum tempo, o que terá originado o Dilúvio de Noé? Estamos a falar de chuva torrencial non-stop durante 40 dias em TODO o mundo juntamente com os movimentos vulcânicos (“naquele mesmo dia se romperam todas as fontes do grande abismo, e as janelas dos céus se abriram” – Génesis 7:11).
    Podes continuar a ignorar os factos ou podes começar a considerar coisas que até agora nunca tinhas considerado https://i0.wp.com/www.creationism.org/sthelens/compare_msh.jpg

    ResponderEliminar
  9. Como pode ver estratificação não leva milhares ou milhões de anos,outras evidências:Atravessando milhões de anos de camadas,árvores ao contrário,ou seja,com raízes para cima.
    Fósseis que cruzam duas ou mais camadas sedimentares. Considere quão rapidamente este tronco de árvore na Alemanha deve ter sido soterrado. Se fosse lento, seu topo teria se decomposto. Obviamente, a árvore não poderia ter crescido através do estrato sem luz do sol e ar. A única alternativa é o soterramento rápido. Algumas árvores poliestrato estão de cabeça pra baixo, o que poderia ocorrer num grande dilúvio. Logo após o Monte Santa Helena (Mount St. Helens) ter entrado em erupção em 1980, os cientistas viram árvores sendo enterradas de uma maneira similar nos sedimentos no fundo do lago de Spirit Lake. Troncos de árvores poliestrato são encontrados em todo o mundo.
    É importante também mencionar que não são somente arvores fossilizadas que são encontradas atravessando eras evolutivas. Os esqueletos delicados e articulados de Mesossauros podem ser achados em rocha calcária, no Estado de São Paulo, evidenciando o Dilúvio. De acordo com o uniformismo, as camadas sedimentares foram sendo depositadas gradativamente, porém, o diâmetro dos ossos desses dinos atravessam várias camadas, mostrando assim que o uniformismo está errado, nesse caso, pois os fósseis mostram que o corpo permanecia inteiro, sem degradação ou desarticulação, o que seria de se esperar nesse modelo (uniformista). A evidência claramente aponta para um catastrofismo.
    Por mais que se queira negar tais evidencias não poderiam ser possíveis sem um efeito cataclísmico. Em uma sedimentação comum, não poderíamos ver tais anomalias. Mas um Dilúvio poderoso e de intenso nível e violência, causaria tais sinais facilmente. Não é estranho que encontramos na Terra tantos sinais que apontam para um Dilúvio? http://3.bp.blogspot.com/-6l0Lj9godBk/Tklb_mMNLAI/AAAAAAAABK0/T0d4CmB5hbg/s400/nova_p2%2B%25282%2529.jpg

    ResponderEliminar
  10. Monte Santa helena:https://cdn-assets.answersingenesis.org/img/articles/nab3/deposits-mudflow-https://www.youtube.com/watch?v=DmLihCxie_Uerosion.jpg https://www.youtube.com/watch?v=M0f4URsDWy0

    ResponderEliminar
  11. Evidências do dilúvio:http://iadrn.blogspot.com.br/2011/08/as-provas-decisivas-que-um-diluvio.html https://darwinismo.wordpress.com/2015/10/21/seis-evidencias-cientificas-em-favor-do-diluvio-de-noe/

    ResponderEliminar
  12. Mesmo conhecendo o futuro, Deus (aquele ser invisível que mora num lugar invisível) se arrependeu de ter criado o ser humano, mas em vez de simplesmente estalar os dedos e fazer as pessoas morrerem instantaneamente de infarto, preferiu inundar a Terra por um ano, matando também mulheres, crianças, bebês, idosos e enfermos, fazendo animais (inclusive bebês de dinossauros) marchar de todos os cantos do globo para um barco, para depois repovoar o mundo novamente através de incesto. Sim, faz todo sentido.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Beber cachaça hoje dá ressaca amanhã, nem por isso quem gosta deixa de beber para se arrepender depois. Há mais coisas entre o céu e a terra do que somos capazes de imaginar.
      Se o objetivo era salvar 8, o infarto mataria mulheres, crianças, idosos e enfermos (achei curioso: não tem problema matar homens?). A questão aqui não é infarto ou dilúvio.
      Um infarto global seria menos dramático que um dilúvio, isso é. Também não entendo porque uma pessoa compra um Volks em vez de um Ford. Tudo é carro e serve para a mesma coisa.
      Globo não tem cantos.
      Os animais teriam que marchar de todos os continentes se o dilúvio fosse hoje. À época, a criação era recente e os animais poderiam estar todos no mesmo lugar.
      O mundo não foi repovoado por incesto. A não ser que as noras de Noé também fossem suas filhas e que casamento entre primos seja considerado incesto.
      Se isso é o que não faz sentido, o Dilúvio continua uma história verosimílima.

      Eliminar
    2. Parabéns, Bento, seu comentário está correto. Pois como poderia um Deus Justo, que não usa dois pesos e duas medidas, ter repovoado a terra a partir de incesto, de casamentos entre irmãos e irmãs do mesmo sangue? Se Deus falou a Moisés séculos mais tarde que o INCESTO é pecado, e Ele supostamente teria matado pessoas no dilúvio exatamente porque havia grande putaria, pai com filha, irmão com irmã, como o DEUS que só tem um ÚNICO PESO e uma ÚNICA MEDIDA permitir que os filhos de Noé ou os netos dele fizessem sexo entre si, se tudo isso foi motivo do dilúvio?

      Eliminar
  13. Beber cachaça hoje dá ressaca amanhã, nem por isso quem gosta deixa de beber para se arrepender depois. Há mais coisas entre o céu e a terra do que somos capazes de imaginar.
    Se o objetivo era salvar 8, o infarto mataria mulheres, crianças, idosos e enfermos (achei curioso: não tem problema matar homens?). A questão aqui não é infarto ou dilúvio.
    Um infarto global seria menos dramático que um dilúvio, isso é. Também não entendo porque uma pessoa compra um Volks em vez de um Ford. Tudo é carro e serve para a mesma coisa.
    Globo não tem cantos.
    Os animais teriam que marchar de todos os continentes se o dilúvio fosse hoje. À época, a criação era recente e os animais poderiam estar todos no mesmo lugar.
    O mundo não foi repovoado por incesto. A não ser que as noras de Noé também fossem suas filhas e que casamento entre primos seja considerado incesto.
    Se isso é o que não faz sentido, o Dilúvio continua uma história verosimílima.

    ResponderEliminar
  14. Discutir com quem acredita em jumenta falante, não faz bem para o fígado.

    ResponderEliminar
  15. E discutir com quem não sabe o que é FATO CIENTÍFICO,não faz bem para o cérebro.
    Refute a lei da biogênese, da termodinâmica, do tdi,da Eva mitocondrial, a ausência de uniformidade no solo, de animais marinhos fossilizados no Hymalaia e Everest.
    Enfim... você não tem chance.
    Aceita que dói menos.

    ResponderEliminar
  16. como sempre a maioria dos neo ateus militantes ao invés de usarem argumentos racionais prefiraram simplesmente descer pra baixaria e xingar como se fossem crianças,eu que tenho 14 pareço ter mais maturidade do que pessoas de mais de 20 anos,alguns poucos tentaram argumentos que foram quebrados por outros argumentos,isso foi o mais próximo de um debate inteligente e normal ao meu ponto de vista,parabens pelo blog e continue sempre assim.

    ResponderEliminar
  17. Faço questão de dizer que o texto em defesa de um dilúvio global foi muito bem elaborado. Trata-se de um cristão muito culto e cheio de retóricas. No entanto, a narrativa do dilúvio mostra um Deus fazendo todos nós de tolos, e como se sabe Deus não faz seus servos de trouxas. E por quê? Notem que Deus sabe todas as coisas, sabia que milhares de pessoas jamais iriam aceitar a mensagem de salvação. Então, para que deixar o Noezinho pregando por longos 120 anos, como se fosse um bobo? E o mais triste: matou centenas e milhares de criancinhas afogadas porque os pais eram pecadores cruéis. Uns roubavam, outros mentiam, outros se prostituíam etc. E outros eram bêbados. Falar em bebida alcoólica, Deus teria matado os pecadores porque Noé era o melhor deles, reto, íntegro, temente a Deus e que se desviava do mal. No entanto, Deus enxerga o futuro e mesmo assim matou todos os cachaceiros da época. E ao sair da Arca, Noé planta vinhas, colhe uvas, faz vinho e EMBRIAGA-SE, a ponto de ficar pelado. Talvez porque entrou em depressão, ao lembrar das criancinhas que foram mortas pelo Deus dos judeus, completamente afogadas no dilúvio. Noé se embriagou e nem por isto Deus o matou, mas matou os outros cachaceiros. Vai entender, não é?

    ResponderEliminar