quinta-feira, 21 de abril de 2016

Militantes relativistas (teoria e prática)

As três principais militâncias relativistas na teoria e na prática: o que eles DIZEM ser, e o que eles MOSTRAM ser.


Existem muitos grupos de militância anticristã hoje em dia, mas nenhum deles declara abertamente suas verdadeiras intenções. A tática é se vitimizar, colocando o cristianismo como o "vilão" da história. Dessa forma os constantes ataques que eles fazem contra o cristianismo são vistos não como  ódio e intolerância religiosa, mas como "reação legítima à opressão religiosa".



Militância gay 




NA TEORIA querem lutar contra a discriminação, desigualdade e preconceito contra os gays.

NA PRÁTICA tentam implantar uma verdadeira “ditadura gay” onde lutam para criminalizar até mesmo opiniões contrárias ou críticas. Também querem acabar com o conceito da “heteronormatividade", e assim se concentram num esforço para desconstruir o conceito tradicional de família e estabelecer a relação homoafetiva como “entidade familiar”.  São bastante intolerantes com as pessoas que não concordam com eles, chegando muitas vezes a atacar essas pessoas com cusparadas, agressões físicas e ofensas. Para muitos deles a religião cristã é a principal responsável pela marginalização dos gays na sociedade, e por isso o cristianismo tornou-se alvo de ataques e zombarias por parte desses militantes.



Militância feminista  


NA TEORIA querem lutar pelos direitos da mulher, para que a mulher tenha direitos iguais aos dos homens.

NA PRÁTICA fazem discursos de ódio aos homens, e querem se sobrepor a eles.  É um tipo de “machismo às avessas”, um  “femismo” (conceito de que a mulher é superior ao homem e deve dominá-lo). Também fazem constantes ataques ao cristianismo por considerá-lo machista e opressor.


Militância ateísta 


 NA TEORIA lutam pelo Estado laico e contra os abusos e mentiras das religiões. Também dizem lutar contra o preconceito e discriminação contra ateus e agnósticos.

NA PRÁTICA  querem um tipo de “Estado ateu”, onde religiosos ficam confinados em suas igrejas sem poder expressar livremente sua religiosidade em locais públicos. Seus ataques são quase que totalmente dirigidos contra o cristianismo... Outros seguimentos religiosos raramente são atacados, o que caracteriza o ateísmo militante como um movimento anticristão.  Eles buscam nitidamente apagar os valores cristãos que estão arraigados em nossa cultura e sociedade.

6 comentários:

  1. Ué, esses 3 grupos são reprimidos sim. Principalmente pela religião cristã e muçulmana. A questão é que muçulmanos já estão sendo combatidos por forças armadas, e o cristianismo? Este não. Ainda tem aval pra praticar o terror. Gays morrem diariamente, por suicidio, agressões ou abandonos que causam seu óbito. Mulheres são ditas como inferiores e devem se encaixar no padrão "bela, recatada e do lar", caso contrário é ridicularizada. Cristãos não aceitam que a mulher iguale seus direitos, por isso as ataca e mentem com falácias como a de que feministas querem ser superiores. Ateuw são o grupo mais odiado pela sociedade, pesquisas comprovam isso, tudo isso fruto da lavagem cerebral que as igrejas fazem. Religiosos são considerados os piores tipos políticos, quase sempre envolvidos em escândalos. Não existe bancada atéia e nem mesmo de outra religião afundando o país, e sim a cristã. Em poucas décadas o ateísmo e o direito das mulheres e dos gays evoluiram muito, questão de tempo para que sejam direitos plenos e as religiões sejam apagadas, visto que o número de teístas cai vertiginosamente, enquanto os ateístas só creece atropelando tudo.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Maior genocídio da história foi contra os cristãos na ex-União Soviética

      O terrível custo humano do ateísmo militante

      A história do mundo está repleta de mostras da violência dos seres humanos contra o seu próximo. Entre os grandes genocídios das últimas décadas estão as guerras étnicas em Ruanda, com 800.000 mortos, da Armênia com 1 milhão e o Holocausto, que exterminou mais de 6 milhões.

      Porém, um novo projeto está em andamento para contar uma história que nunca recebeu a atenção que merece: a campanha dos “ateus militantes” contra a fé na ex-União Soviética. Estima-se que o número de cristãos mortos pelo regime socialista ateu chega a 12 milhões. Esses dados são mostrados em detalhes no documentário “Martirizados na URSS”, que mostra as atrocidades dos regimes de Lênin, Stalin, Kruschev e outros.

      “O objetivo da União das Repúblicas Socialistas Soviéticas”, explica o produtor do filme “era eliminar a religião. Para atingir esse objetivo, eles destruíram igrejas, mesquitas, sinagogas, e todos os monumentos religiosos, bem como o envio em massa de pessoas religiosas para campos de trabalho forçado da Sibéria”.

      A Liga de militantes ateus, fundada em 1929, ajudou o governo soviético no assassinato de milhares de crentes e de seus líderes. Muitos templos foram convertidos em celeiros, depósitos e “museus do ateísmo”, enquanto eram realizados com frequências manifestações que promoviam o escárnio da religião e dos fieis. Ao longo da década de 1960, por exemplo, metade das igrejas ortodoxas russas foram fechadas, além de cinco de seus oito seminários. Os ortodoxos são a maior denominação cristã da região, mas também foram perseguidos os batistas, presbiterianos, metodistas e luteranos.

      Além do martírio de cerca de 12 milhões de cristãos, centenas de milhares de judeus, muçulmanos e budistas também foram mortos por causa de sua fé.

      Kevin Gonzalez, produtor e diretor do documentário disse que o projeto surgiu quase que por acaso. Ele conheceu uma mulher em sua igreja, que veio da Rússia, e ela contou algumas das atrocidades que ocorreram por lá. Gonzalez se interessou e decidiu entrevistar os avós, os pais e alguns amigos dessa senhora e decidiu que tudo aquilo precisava ser exposto.

      Gonzalez disse ao WND que as gerações mais jovens nos países da ex-União Soviética não sabem muito sobre essa época, porque o governo decidiu eliminar esses relatos dos livros de história.

      Sob a doutrina soviética, de separação entre Igreja e Estado, as igrejas foram proibidas de doar comidas aos pobres e de realizar atividades educativas. Era uma tentativa de fazer a população “curvar-se apenas ao governo soviético”.
      Os fiéis não podiam publicar literatura religiosa e muitas igrejas foram impedidas de realizar cultos com a presença de crianças e jovens. O sistema escolar e universitário foi tomado pelos ensinamentos ateístas e antirreligiosos. Gonzalez acredita que existe o perigo de esse tipo de perseguição voltar a ocorrer em pleno século 21.

      “A nossa esperança é que as pessoas aprendam com a história da perseguição dos cristãos na URSS para reconhecer o dano causado pelo movimento ateu militante, algo que ainda existe e está decidido a ridicularizar e proibir toda forma de religião na sociedade.”

      Os criadores do filme estão lançando o DVD este mês nos EUA, e já anunciam que pretendem mostrar as consequências dos regimes ateus na Revolução Francesa, na República Popular da China, na República Socialista da Albânia, na Coreia do Norte e outros.

      https://en.wikipedia.org/wiki/Persecution_of_Christians_in_the_Soviet_Union

      O Feminismo atual é sobre privilégios sexistas, Direitos Iguais homens e mulheres já possuem faz muito tempo.

      http://omarxismocultural.blogspot.com.br/2015/03/5-evidencias-de-que-as-feministas.html

      Ser Gay no Brasil, reduz 16 vezes a possibilidade de ser assassinado (através de dados dos próprios grupos gays)

      https://www.youtube.com/watch?v=lUuwlVt-Re8

      Eliminar
    2. Quem REALMENTE odeia religiosos são ateus militantes de internet, a imensa maioria dos religiosos não dão a mínima para ateus.
      Se quer confirmar essa afirmação, é só você acessar agora mesmo sites como Jesus Bêbado, ATEA, Universo Racionalista, etc, e ver suas postagens especialmente as mais antigas. O preconceito e a discriminação de ateus contra religiosos são claríssimos.
      A ATEA, a principal página de militância ateísta, possui 500 mil curtidas e a população brasileira sem religião (e isso engloba outros grupos além de ateus e agnósticos) é de 8%.
      O Logos Apologética, a principal página de militância religiosa, possui 27mil curtidas e a população brasileira cristã é de quase 90%.
      Só por essa pequena amostragem mostra muito claramente quem “odeia” quem aqui.

      Ser gay no Brasil reduz muito mais a possibilidade de ser assassinado do que ser um hétero. E isso é uma conclusão feita através de dados colhidos pelos próprios coletivos gayzistas.
      O Grupo Gay da Bahia tem uma medida estimada, desde a década de 70, na morte de gays no Brasil, que fica na faixa dos 200 ao ano. A população LGBT no Brasil, segundo o grupo, chega a 10% no Brasil. Dentro deste universo, morrem em torno de 200. Comparando com heterossexuais, são 200 milhões para mais de 60.000 assassinatos (número 1* no mundo).
      Se a mesma média geral fosse feita, deveriam ter morrido mais de 20x o mesmo número de homossexuais. Interpretando as estatísticas dos próprios movimentos gays, ser gay no Brasil reduz em 20x a possibilidade de ser assassinado. A estatística de 2014 fala em 326* mortes contra mais de 60.000.
      Relatório: https://homofobiamata.files.wordpress.com/2015/01/relatc3b3rio-2014s.pdf

      1) Mulheres são apenas 8% das vítimas de homicídios no Brasil. Homens são 92% dos homicídios no Brasil:
      www.mapadaviolencia.org.br/pdf2014/Mapa2014_AtualizacaoHomicidios.pdf (p. 105)
      2) Mais de 90% dos mendigos no Brasil são homens, e não mulheres:
      www1.folha.uol.com.br/cotidiano/ribeiraopreto/2013/08/1331884-maioria-dos-moradores-de-rua-sao-homens-desiludidos-com-o-amor.shtml
      3) Apesar do câncer de próstata matar tanto quando o câncer de mama, o governo gasta 50 vezes mais dinheiro no combate ao câncer de mama do que no combate ao câncer de próstata:
      http://www12.senado.leg.br/noticias/materias/2013/05/16/especialistas-apontam-preconceito-e-falta-de-investimentos-como-fatores-do-aumento-do-cancer-de-prostata
      4) Os homens cometem 80% dos suicídios:
      https://www.abcdasaude.com.br/psiquiatria/suicidio
      http://www.bancodasaude.com/noticias/homens-cometem-mais-suicidio/
      5) Mulheres são maioria no ingresso e na conclusão de cursos superiores:
      www.brasil.gov.br/educacao/2015/03/mulheres-sao-maioria-no-ingresso-e-na-conclusao-de-cursos-superiores
      Os privilégios estatais listados servem para mostrar que além dos privilégios naturais, as mulheres, ainda por cima, recebem privilégios estatais tornando seus privilégios naturais AINDA MAIORES.
      Dados completos aqui: http://sexoprivilegiado.blogspot.com.br/2014/04/privilegios-femininos.html
      Mulher é o ser mais privilegiado que já existiu em quase 100% das sociedades. Achar que mulheres são ou foram “oprimidas” é porque você nunca analisou a História sem a lente ideológica do marxismo e do feminismo e foi doutrinado direitinho como grande parte dos estudantes.
      http://imgur.com/tK2cCIJ
      https://www.youtube.com/watch?v=mRmdvqf3n60
      https://www.youtube.com/watch?v=aNP94TQru38
      http://imgur.com/vvhQFRR

      Realmente muito interessante você citar islamismo e cristianismo na sua análise tendenciosa, mas se "esquecer" de citar o que sociedades ateístas fizeram e ainda fazem com esses mesmos grupos que vocês ateus modernos juram possuírem o monopólio da virtude em defender:
      http://liberzone.com.br/o-amor-nao-e-vermelho/

      O cristianismo e islamismo continuam crescendo mais do que o ateísmo pelo mundo:
      http://www.pewforum.org/2015/04/02/religious-projections-2010-2050/
      Seria muito bom você pesquisar as coisas de forma independente antes de espalhar mais propagandas mentirosas que leu em sites ateístas pela internet.

      Eliminar
  2. Para ampliar esta complexa discussão sugiro:
    http://saudepublicada.sul21.com.br/2015/08/24/trajetoria-ateista-de-sigmund-freud-1856-1939-4/

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Desculpe-me, mas essa abordagem é irrelevante nesse contexto. Meramente usar um diploma pra chamar uma religião de superstição ou afins, demonstra claramente que Freud não tinha gabarito para adentrar nesse quesito.
      A fé nāo se mede em um exame.
      Eu já fui reprovado em um psicotécnico, por dizer que acredito em Deus.
      Se alguém achar isso correto, se acha no privilégio de dar "carteiraço" na fé de outros. Não compreende o mínimo das liberdades essenciais para uma clara distinção entre fé e profissionalismo.
      No meu ponto de vista isso não é ético.

      Eliminar
  3. CONCORDO PLENAMENTE COM O TEXTO OS MAIS INTOLERANTES SÃO OS QUE QUEREM TOLERÂNCIA .VAI ENTENDER.

    ResponderEliminar